O maior desafio atual, as mudanças climáticas

14.04.2021 - Lima, Peru - Norberto Ovando

This post is also available in: Espanhol

O maior desafio atual, as mudanças climáticas
(Imagem de istockphoto)

Sem distinção de gênero, idade ou região, um novo estudo realizado pela UNESCO, concluiu que o aquecimento global e a perda de biodiversidade são os desafios que os cidadãos do mundo entendem como os mais urgentes.

A pesquisa “The World in 2030” (O Mundo em 2030) realizou uma pesquisa aberta na internet entre maio e setembro de 2020 em mais de 25 idiomas, realizada junto 15.000 pessoas pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), reflete o mal-estar de muitos jovens: 57% dos entrevistados tinham menos de 35 anos e 35% menos de 25.

67% dos cidadãos do mundo considera que o desafio mais importante que enfrentamos é a mudança climática e a perda de biodiversidade foram os mais selecionados de acordo com o questionário publicado em 31 de março de 2021.Trata-se de uma preocupação universal para quem não vive em um conflito ou uma guerra, como é para homens e mulheres, e jovens e adultos, sem importar com a região que residam.

  As pessoas que se identificaram neste desafio estavam mais preocupadas com o aumento dos desastres naturais e o clima extremo, a perda de biodiversidade, o risco de conflito ou violência, os impactos nos oceanos e o que é mais crítico que há uma esperança cada vez menor de resolver o problema.

A ansiedade com o futuro do clima e da biodiversidade, que foi a opção escolhida em primeiro lugar por 67 % dos entrevistados, está por a frente de outros assuntos também motivo de preocupação para estes, tais como a violência e o conflito, também selecionados por 44% deles a discriminação e a desigualdade, selecionados por 43% ou a escassez de alimentos, água e moradia que também preocupa 42%. No total, os entrevistados puderam selecionar entre 11 desafios de caráter universal também.

Para enfrentar o desafio que foi apresentado, o clima e a biodiversidade, os entrevistados preferiram investir em soluções ecológicas, a educação sobre sustentabilidade, a promoção da cooperação internacional e a construção de confiança na ciência.

“Necessitam maiores esforços para atender às preocupações específicas das pessoas e o multilateralismo e a forma de fazer. Restaurar a confiança no multilateralismo requer a implementação de projetos concretos e impactantes e esse é o núcleo do papel da nossa organização”. Declarou Audrey Azoulay – Diretora Geral da UNESCO.

  A educação é a principal solução

A educação em suas diversas formas foi destacada como solução crucial as muitas dificuldades que enfrentamos, com apelos para o ensino da paz, não violência, tolerância cultural, direitos humanos, alfabetização mediática, ciência e tecnologia. As soluções baseadas na educação são a solução número 1 para 7 dos 11 desafios incluídos na pesquisa.    

A educação e a aprendizagem também se destacaram como a área da sociedade que mais precisa repensar a luz da pandemia de COVID-2019 (47%) seguida da relação entre os seres humanos e a natureza (45%) e a cooperação científica e o intercâmbio de pesquisas (40%).

Enquanto 95% dos entrevistados disseram que a cooperação entre países era importante para superar estes desafios, somente um em cada quatro entrevistados relatou se sentir confiante de que o mundo pode finalmente conseguir. Em conjunto, os resultados sugerem não uma falta de reconhecimento da importância do multilateralismo, mas uma crise de fé na sua eficácia.

O relatório completo de 68 páginas, também contém informações sobre as preocupações específicas que induzem à ansiedade e que devem ser abordadas na próxima década. Além disso, analisa os resultados em toda a região, o gênero, a idade e outras linhas demográficas, apresentando um retrato complexo e valioso do sentimento global sobre estes temas chaves.

O relatório completo somente em inglês “The World in 2030: public survey report” pode baixar do seguinte link 

https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000375950.locale=en

América Latina e o Caribe

As mudanças climáticas e a perda de biodiversidade são o principal desafio da América Latina e o Caribe, que preocupa 66% dos entrevistados, seguido da discriminação e da desigualdade (50%), a falta de alimentos, água e moradia (49%) e a falta de trabalhos decentes e oportunidades (36%).

Conclusão 

Embora exista um grande número de políticas públicas voltadas para a adoção e mitigação das mudanças climáticas e conservação da biodiversidade, os governos devem manter e melhorar os processos ecológicos e culturais nas florestas nativas que beneficiam a sociedade; conservar a qualidade do solo e da água, garantir a conservação dos ecossistemas, da biodiversidade e promover a criação de áreas naturais protegidas.

 Devemos mudar a maneira como as pessoas pensam e agem para “mudar as mentalidades, não o clima”, e a educação é essencial para que essa transformação radical e necessária aconteça.

Fonte: UN/UNESCO/AAPM

*Presidente/ Associação Amigos dos Parques Nacionais (APPN) 

Especialistas em Comissões Mundiais de Áreas Protegidas (WCPA) e 

Educação e Comunicação (CEC)

União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN)


Traduzido do espanhol por Ivy Miravalles / Revisado por Tatiana Elizabeth

Categorias: Ámérica do Sul, Ecologia e Meio Ambiente, Opinião
Tags: ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.