China e Rússia anunciaram planos de construir uma estação espacial lunar.
A Agência espacial russa de Roscosmos disse que assinou um acordo com a Administração Nacional Espacial Chinesa para desenvolver instalações de pesquisa na superfície da lua, em órbita ou ambos.
Uma declaração das agências espaciais de ambos os países afirma que elas estarão disponíveis para o uso por outras nações.
Tal acordo se dá no momento em que a Rússia se prepara para celebrar o sexagésimo aniversário do seu primeiro voo espacial tripulado.
A estação científica lunar internacional realizará uma gama de pesquisas científicas, inclusive a exploração e a utilização da lua, uma declaração dita por ambas as agências.
“China e Rússia usarão sua experiência acumulada em ciência espacial, pesquisa, desenvolvimento e uso do equipamento espacial e tecnologia para desenvolver, em conjunto, um roteiro para a construção de uma estação lunar internacional de pesquisa científica”, disse o comunicado (em Mandarim).

Acrescentou que tanto a Rússia quanto a China irão colaborar no planejamento, projeto, desenvolvimento e operação da estação de pesquisa.
Chen Lan, um analista especializado no programa espacial chinês, disse à agência de notícias AFP que o projeto era um “grande negócio”.
“Este será o maior projeto de cooperação espacial internacional para a China, por isso é muito significativo”, disse ele.

A China desabrochou relativamente tarde quando se trata do mundo da exploração espacial, mas, em dezembro passado, sua sonda Chang’e-5 trouxe com sucesso, rocha e “solo” que recolheu da lua. Na época, foi visto como outra demonstração da sua crescente capacidade no espaço.
A Rússia, que foi a pioneira na exploração espacial, tem sido ofuscada pela China e pelos EUA nos últimos anos. No ano passado, perdeu o monopólio de levar astronautas à Estação Espacial Internacional após o lançamento bem sucedido da SpaceX.
Os EUA anunciaram planos de retornar à Lua em 2024. O programa chamado Artemis verá um homem e uma mulher pisando na superfície lunar no que seria a primeira aterrissagem com seres humanos desde 1972.


 

Traduzido do inglês por Luciana Leal / Revisado por Luma Garcia Camargo

O artigo original pode ser visto aquí