O Brigadeiro-General argelino Bouzid Boufrioua apelou para que a França assumisse a responsabilidade pelo lixo nuclear deixado no Saara, após testes nucleares ali realizados pelo país na década de 1960. Boufrioua, que também é o chefe do departamento de engenharia de combate do Comando das Forças Terrestres, fez seus comentários na edição de fevereiro da Revista Oficial do Exército da Argélia.

Ao todo, foram conduzidos 17 testes no Saara argelino entre 1960 e 1966. Instituições estatais e organizações da sociedade civil da Argélia vêm demandando que os franceses revelem o local onde os resíduos nucleares foram armazenados.

“Mesmo após 60 anos da realização dos testes, a localização dos resíduos ainda não foi revelada e as vítimas das doenças causadas pela radiação ainda não foram compensadas” – afirma a revista.

Boufrioua aponta que houve uma mudança radical sobre essa questão. “Em 7 de julho de 2017, 122 membros da Assembleia Geral da ONU ratificaram um novo tratado para banir o uso de armas nucleares.” Segundo o general, o acordo “reconhece de forma clara e explícita o princípio do ‘poluidor-pagador’. Esta é a primeira vez que a comunidade internacional cobra retificação de erros do passado por parte dos Estados.”

O tratado entrou em vigor em janeiro do ano passado. Entretanto, países como França, EUA, Grã-Bretanha, Rússia e China se recusaram a assiná-lo. Membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU por conta de suas armas nucleares, cada um desses países tem direito a vetar qualquer resolução.


Traduzido do inglês para o português por Felipe Balduino / Revisado por José Luiz Corrêa