«Desigualdades e inclusão: As interseccionalidades na educação» estiveram no centro do debate na Assembleia da CLADE

09.11.2020 - São Paulo, Brasil - CLADE -

This post is also available in: Inglês, Espanhol

«Desigualdades e inclusão: As interseccionalidades na educação» estiveram no centro do debate na Assembleia da CLADE

Hoje, terça-feira, 3 de setembro, continua o desenvolvimento virtual que que dá continuidade à XI Assembleia Regional da Campanha Latino-americana pelo Direito à Educação (CLADE), que semana após semana vem alinhando um processo de reflexão, desenvolvendo hoje mais uma sessão.

Desta vez, as desigualdades foram abordadas, como nó central da educação na América Latina e no Caribe. O painel foi intitulado “Desigualdades, inclusão e educação: interseccionalidades” e o encontro foi realizado em parceria com a Campanha Boliviana pelo Direito à Educação (CBDE), Oxfam IBIS e a Rede de Educação Popular entre Mulheres da América Latina e Caribe (REPEM).

Com palavras de abertura de Elisabeth Robert e as boas-vindas em nome do Comitê Diretivo de CLADE de David Aruquipa, as apresentações começaram com uma visão do panorama regional feito por Karina Batthany, Secretária Geral de CLACSO. Quem mencionou que a região latino-americana tem a maior desigualdade do mundo, não só economicamente, mas também educacional e culturalmente, racialmente, com enormes desigualdades de gêneros, exclusão e invisibilidade de populações indígenas, afrodescendentes, migrantes, etc. É necessário reformular o marco conceitual de nossas sociedades pensando em um modelo que permita o exercício profundo da democracia participativa, da inclusão e da superação da pobreza.

Seguindo Vernor Muñoz, Diretor de Políticas CME e Ex- relator da ONU sobre o Direito Humano à Educação, quem reafirmou esta situação de extrema inequidade e mencionou o quadro patriarcal da nossa sociedade, em todos os seus aspectos. Um patriarcado que atua excluindo e discriminando, com estruturas organizacionais que permeiam os estados, o sistema educacional e até os conteúdos educacionais. A única possibilidade de superar as múltiplas discriminações e violações, argumentou é através de uma nova perspectiva interseccional.

Em seguida, continuou com as apresentações temáticas que focaram na descrição de como estas desigualdades se manifestam e aumentam em tempos de pandemia, especificamente as que afetam o gênero descrito por Monica Novillo, Coordenadora da Rede de Educação Popular, entre mulheres deficientes graças a exposição de Celeste Fernandes, Coordenadora da Rede de Educação Inclusiva. As interseccionalidades que afetam o mundo indígena e principalmente suas mulheres, meninas e adolescentes evidenciadas por Liberdade Pinto, e as populações migrantes no contexto de pandemia com as palavras de Haderson, Joseph, Coordenador do Programa Fronteiras Universidade do Amapá no Brasil.

Antes de terminar teve oportunidade como nas sessões anteriores da Assembleia para a formulação de comentários e questões virtuais recolhidas no chat, sendo respondidas por meio de encerramento por cada um dos expositores.


Traduzido do espanhol por Ivy Miravalles / Revisado por Tatiana Elizabeth

Categorias: América Central, Ámérica do Sul, Educação
Tags: , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.