A OMS critica Israel por violações de saúde contra a Palestina

21.11.2020 - Middle East Monitor

A OMS critica Israel por violações de saúde contra a Palestina
(Crédito da Imagem: badwanart0/Pixabay)

Ontem, a Organização Mundial da Saúde (OMS) denunciou Israel por violações dos direitos de saúde durante a pandemia do coronavírus nos territórios palestinos e nas Colinas de Golã ocupadas.

Representantes de vários países, incluindo a Malásia, o Líbano e a Venezuela, proferiram discursos nos quais criticaram Israel por ferir direitos à saúde.

Durante a sessão, a delegação iraniana chamou atenção para o “bloqueio desumano” que Israel impõe na Faixa de Gaza, o que teve “efeitos profundos no setor da saúde”.

Declarou que “a ocupação prolongada tem graves consequências para a saúde dos palestinos. Mais de 12 anos de um bloqueio desumano têm produzido graves repercussões no setor da saúde, piorando uma situação já catastrófica”.

Além disso, o relatório da OMS critica Israel pelos “problemas psicossociais e de saúde mental” dos palestinos, devido às “estratégias e práticas de planejamento discriminatórias em relação aos palestinos”, autodeclaradas pelo Estado judeu, na Área C da Cisjordânia ocupada, que está sob a jurisdição administrativa e militar de Israel. Igualmente, criticou a violência que enfrentaram os manifestantes palestinos na Faixa de Gaza durante as manifestações da “Marcha do Retorno“.

Logo de uma votação de 78 votos contra 14, com 32 abstenções e 56 países ausentes, a assembleia adotou a resolução que requer que o mesmo debate também seja realizado no próximo ano.

Além disso, o diretor geral da OMS vai preparar outro relatório sobre as violações sanitárias que Israel cometeu na Cisjordânia ocupada, Faixa de Gaza, Jerusalém Oriental e na parte síria ocupada das Colinas de Golã, para ser apresentado na 74a Assembleia Mundial da Saúde em 2021.

Os países que votaram a favor da resolução incluíram a França, Índia, Irlanda, Espanha, entre outros. Enquanto isso, Israel, os Estados Unidos, Reino Unido, Austrália, Brasil, Canadá, República Checa, Alemanha, Honduras e Hungria votaram contra.


Traduzido do inglês por Graça Pinheiro / Revisado por Thaís Bueno

Categorias: Direitos Humanos, Oriente Médio, Saúde
Tags: , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.