Sergio Rojas: contra a impunidade e o esquecimento

12.10.2020 - Managua, Nicarágua - Giorgio Trucchi

This post is also available in: Espanhol, Italiano

Sergio Rojas: contra a impunidade e o esquecimento
(Crédito da Imagem: Olmen)

Sergio Rojas Ortiz, líder indígena Bribri e membro fundador da Frente Nacional de Pueblos Indígenas (Frenapi), foi baleado quinze vezes em 18 de março do ano passado, em meio a uma escalada de violência contra os povos Teribe (Brörán) e Bribri, comprometidos com a recuperação dos territórios indígenas de Térraba e Salitre. Um ano e meio depois, as autoridades querem arquivar o caso.

 

Rojas, que também era membro do Conselho de Autoridades Próprias Ditsö Iriria Ajkonük Wakpa (CDIAW), beneficiou-se das medidas cautelares outorgadas em 2015 pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), com as quais se determinou ao Estado da Costa Rica que garantisse sua integridade física e sua vida.

Passados 19 meses sem avanços substanciais na linha de investigação, em 24 de setembro do corrente ano, o Ministério Público ordenou o indeferimento e arquivamento do processo penal instaurado para investigar o crime.

Uma decisão que se insere em um contexto de total impunidade por crimes cometidos contra os membros dos povos indígenas, que lutam em defesa e pela recuperação de territórios ancestrais.

O caso mais recente é o assassinato do líder indígena Brörán, Jehry Rivera, morto por proprietários de terras em fevereiro deste ano, em Potrero Grande de Buenos Aires de Térraba.

“A sombra da impunidade é enorme. Todas as denúncias que chegam ao judiciário são arquivadas e isso contribui para o aumento da violência.

O fato de o Estado não ter avançado na questão da reorganização fundiária e no saneamento deixa as populações, que estão em processo de recuperação, mais expostas a ataques que podem ser fatais por parte desses latifundiários”, disse Lesner Figueroa, coordenador do CDIAW.

Durante a mesa de debate “Contra a impunidade, contra o esquecimento! O assassinato de Sérgio Rojas e a violência simbólica do Estado”, Oscar Retana, que é o representante legal da família do líder indígena assassinado, acusou as autoridades costa-riquenhas de inação.

“A Costa Rica não apenas firmou vários compromissos internacionais relativos aos direitos humanos, mas também passou uma lei que regula e garante os direitos territoriais dos povos indígenas. Só que, na prática, a realidade é bem diferente.

Somos uma sociedade democrática apenas no papel, porque o que existe é uma violação sistemática dessas demandas”, advertiu o advogado Retana, lembrando ainda que, quando se trata de territórios indígenas, a justiça na Costa Rica é uma via de mão dupla.

“Tanto Sérgio quanto os demais membros de organizações indígenas têm sido repetidamente criminalizados e até mesmo processados judicialmente. Mas quando se trata desses latifundiários violentos e usurpadores, a impunidade é absoluta”, afirmou.

Para Álvaro Paniagua, funcionário da Defensoria Pública (um órgão ligado ao Poder Legislativo na Costa Rica), o Estado, por sua incapacidade, displicência e omissão, é solidariamente responsável pelo assassinato de Sérgio Rojas.

“Nunca acatou as medidas cautelares da CIDH, nem respeitou os acordos firmados com as organizações indígenas com vistas à reorganização territorial, sendo que esses acordos incluíam a retificação de limites, o sistema de distribuição de terras e os mecanismos de recuperação”, lembrou.

Um dia após a decisão do Ministério Público de encerrar o caso, as Nações Unidas pediram ao Estado da Costa Rica que prosseguisse com as investigações e impedisse que esse crime ficasse impune.

E não parou por aí. Exigiu que seguissem pressionando em busca de novas ações que possam “erradicar todas as formas de violência e discriminação contra os povos indígenas”, garantindo assim a posse sobre terras que, por direito, lhes pertencem.

“Vamos recorrer dessa decisão do Ministério Público para que as investigações prossigam e esse caso não fique impune”, concluiu o representante legal da família de Rojas.


Traduzido do espanhol por José Luiz Corrêa da Silva

Categorias: América Central, Assuntos indígenas
Tags: , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.