Justiça Global denuncia mineradoras no MA e MG em sessão da ONU

22.09.2020 - Rio de Janeiro, Brasil - Justiça Global

Justiça Global denuncia mineradoras no MA e MG em sessão da ONU
Ato frente ao memorial da Vale • 31-01-19 BH (MG (Crédito da Imagem: Mídia Ninja)

Nesta segunda-feira (21), a Justiça Global e a Articulação Internacional de Atingidas e Atingidos pela Vale fazem um pronunciamento público em resposta à apresentação do Relatório da visita ao Brasil, realizada pelo Relator Especial de Resíduos Tóxicos da ONU, Baskut Tunkak, no ano passado. O documento de intervenção foi feito em conjunto com o Movimento pelas Águas e Serras de Minas e a Justiça nos Trilhos. 

O relatório será apresentado por Marcos Orellana, novo relator da ONU sobre gestão de substâncias e resíduos perigosos durante a 45ª Sessão Ordinária do Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas. Ele sucedeu o turco Baskut Tunkak na Relatoria.Entre as recomendações exigidas pelo Relator Especial ao Conselho dos Direitos Humanos da ONU está a investigação da situação dos direitos humanos no Brasil, com foco especial em proteção ambiental, saúde pública e trabalho, e defensores dos direitos humanos. Também é recomendado que o Conselho realize uma sessão especial sobre a Amazônia brasileira, especialmente no que diz respeito às queimadas. A fuligem decorrente dos incêndios na Amazônia também é considerada resíduo tóxico.Apesar de inconcluso, o processo de reparação pelos danos causados, em decorrência dos desastres do Rio Doce e de Brumadinho, Vale, BHP Billiton e Samarco tentam retomar suas operações nos territórios afetados, sem terem sido, de fato, responsabilizadas.A mineração foi considerada pelo governo federal como atividade essencial e por isso não foi suspensa durante a pandemia, o que gerou um cenário de alta contaminação nos territórios que possuem empreendimentos minerários. O mapa divulgado pelo Movimento pela Soberania Popular na Mineração (MAM) mostra a diferença no avanço da disseminação do coronavírus entre os municípios que não possuem projetos de mineração e os que concentram intensa atividade minerária. Nas cidades onde não há a exploração das corporações, há raros ou nenhum caso de pessoas infectadas pela covid-19, enquanto que nas cidades onde há presença e atividades intensas de mineradoras, foram registrados até junho um crescimento de 49% da população local infectada em apenas uma semana.Foi o caso da cidade de Itabirito, onde a Vale do Rio Doce foi criada e explora o minério de ferro da cidade. O número de casos na cidade saltou de 7 para 440 em menos de 20 dias no mesmo mês. De acordo com o Ministério Público do Trabalho, metade dos infectados era de funcionários da Vale. Além de Itabirito, houve crescimento dos casos de 25% nas cidades Catas Altas e Mariana; de 37% em Ouro Preto; e mais de 24% em Barão de Cocais, segundo o estudo realizado pelo MAM.

Em vídeo enviado à ONU, a pesquisadora da Justiça Global, Raphaela Lopes, denuncia o desmantelamento dos órgãos de monitoramento ambiental, trabalhista e de saúde no Brasil e sinaliza para a situação das empresas: “Em Mariana, a Samarco já recebeu sua licença e pretende retomar suas operações até o final de 2020. Em Brumadinho, a Vale ainda tenta revalidar sua licença de 2018, e deve ter sucesso, embora todas as condicionantes ambientais tenham sido dramaticamente afetadas pela própria Vale.”

No vídeo, disponível no canal da Justiça Global no Youtube, a pesquisadora ainda relata a negligência do Estado e da mineradora Vale, em Açailândia, no Maranhão: “Em Piquiá de Baixo, o processo de reassentamento da comunidade atingida pela poluição tóxica está em risco por falta de recursos, pois o Estado do Maranhão e a Vale não pagaram a sua parte.”

Categorias: Ámérica do Sul, Direitos Humanos, Ecologia e Meio Ambiente
Tags: , , , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Dia da Não Violência

Dia da Não Violência

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.