O racismo e a intolerância voltam à moda no Brasil de Bolsonaro

08.08.2020 - Rio de Janeiro, Brasil - Guido Mendes

O racismo e a intolerância voltam à moda no Brasil de Bolsonaro
Ato Vidas Negras Importam. 07/06/2020, Belo Horizonte, MG

Essa semana, mais uma vez, o Brasil deu ao mundo, exemplos emblemáticos de racismo estrutural, com atos praticados contra cidadãos e ao que está estabelecido na nossa Constituição.

A afronta ao texto constitucional está ficando cada vez mais comum por aqui e não há guardiões suficientes para estabelecer uma volta à normalidade. O racismo estrutural não é uma realidade só dos brasileiros – está disseminado em outros países americanos e na Europa – e tem como marca, os privilégios de um grupo étnico sobre os outros, principalmente, se os outros, tiverem a pele preta ou vermelha.

Quando presenciamos uma atitude racista de um individuo contra o outro, muitas vezes nos calamos, ou acobertamos tal ato, com a justificativa do véu da ignorância. Podemos pensar que, devido as falhas no processo de construção da educação e da cidadania, estamos fadados a presenciar aqui e ali, certas manifestações individuais de racismo, intolerância e outras beligerâncias, que estão cada vez mais repetitivas no nosso dia a dia. E o certo, diante dessas situações, que podem nos embaraçar é quebrar o silêncio e expor o indivíduo racista à sua ignorância ou estupidez. Calando-o ou isolando-o.

A reação à morte de George Floyd, nos Estados Unidos é um exemplo que não pode ser esquecido por nenhum cidadão. Pois, não é de hoje, que assistimos calados, à execução de homens e mulheres- pretos, índios, latinos e de outras etnias e, nesse silêncio, contribuímos com nossa omissão para o crescimento da intolerância, do racismo e de toda sorte de preconceitos.

Os atentados contra o entregador Matheus Fernandes, no Rio de Janeiro, Mateus Pires, em Valinhos e da mãe, que perdeu a guarda da filha, em Araçatuba, no interior de São Paulo demonstram que o etnocentrismo está enraizado em nosso país.

Matheus Fernandes foi ameaçado e agredido por dois homens quando tentava comprar um relógio de presente para o pai num shopping no Rio de Janeiro. Imagens gravadas pelos clientes, mostram dois homens, possivelmente policiais à paisana, encurralando Matheus na escadaria do shopping sob a acusação de roubo.

Já o outro Mateus, agora em Valinhos, também foi filmado sendo escorraçado por um homem branco por causa de um atraso na entrega de um produto. Mateus foi xingado e humilhado pelo individuo, que fazia gestos e mostrava que a sua condição de homem de pele branca, o fazia superior. O atentado só ganhou repercussão, quando a mãe de Mateus publicou o vídeo na rede social. O agressor, o contabilista Mateus Abreu Almeida Prado Couto, de acordo com os pais, é doente mental.

Uma mãe de Araçatuba, perdeu a guarda de uma filha adolescente, depois que a menina passou por um ritual de batismo no Candomblé. A avó, que é evangélica, denunciou a mãe ao Conselho Tutelar, que acatou as denuncias por maus-tratos e abuso sexual. E mesmo com o depoimento da adolescente favorável à mãe, a justiça, numa decisão, claramente preconceituosa, tirou a guarda dela.

Nos três casos é possível perceber claramente o rastro do racismo e da intolerância. Dois crimes que vivem em simbiose.

O caso de Valinhos é um exemplo de racismo orgânico, pois nos revela uma dinâmica comportamental que está atrelada ao preconceito, à discriminação de indivíduo para individuo. Não deixa de ser crime e passível de punição.

Mas, os outros dois casos, nos mostram o racismo sistêmico que está na estrutura de formação da sociedade e referendado pelo próprio Estado. Nesse caso, temos um problema ainda mais grave.

A Constituição brasileira configura como crime, qualquer que seja a motivação da discriminação, pois na sua acepção está o princípio da igualdade entre todos os cidadãos, independente de sua condição econômica, étnica, sexual e social. A Constituição Federal de 1988 determina, no Art. 3, inciso XLI, que “Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação”; e no Art. 5º, inciso XLI, que “a lei punirá qualquer discriminação atentatória dos direitos e liberdades fundamentais”.

Inconstitucionalissimamente. A cada dia, o povo brasileiro, – aqueles que querem obviamente –, precisa aprender o significado do maior palavrão da língua portuguesa. As instâncias da justiça – da mais rasa à suprema – tem nos dado motivos para que aprendamos o significado e empunhemos a nossa Constituição, de onde advém o termo.

São 27 letras, onde vogais e consoantes se repetem nos oferecendo mais que uma sopa de letrinhas, mas um vocábulo forte que numa democracia madura jamais deveria ser desconhecido dos seus cidadãos. É um texto promulgado com um sistema de regras rígidas e minuciosas sobre condutas de indivíduos, e, principalmente do Estado.

Quando policiais, Conselhos Tutelares, juizes e outros atores que fazem parte da organização Estado, ferem as diretrizes constitucionais, as organizações civis precisam partir para o enfrentamento, sob o risco do silêncio, transformar governos eleitos democraticamente em ditaduras ideológicas.

A livre manifestação do pensamento, inspirada nos princípios da revolução francesa de liberdade, igualdade e fraternidade foi talvez a maior contribuição dos constituintes de 1988.

Para muitos de nós, o racismo, a intolerância são apenas vocábulos, semântica, – agora, para quem é vítima de um julgamento, pela sua condição étnica, religiosa, econômica ou social, dentro do que foi estabelecido para manter a esperança da igualdade, as letras que servem de arcabouço para o direito e, consequentemente para a justiça, são as nossas únicas armas.

E é sempre bom lembrar que a Lei Caó está viva. E com ela, o racismo se tornou crime inafiançável e imprescritível com penas de reclusão de até 5 anos. Só nos resta cumpri-la.

Categorias: Ámérica do Sul, Direitos Humanos, Diversidade, Opinião
Tags: , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.

maltepe escort