Sem partido, sem empatia e sem nenhum respeito ao povo, Bolsonaro ganha na Justiça o “direito” de não usar máscara

02.07.2020 - Brasil - Redação Rio de Janeiro

Sem partido, sem empatia e sem nenhum respeito ao povo, Bolsonaro ganha na Justiça o “direito” de não usar máscara
Ilustração de Vitor Vanes

Por Lillian Bento¹

Fazer isolamento social e usar máscaras de proteção em espaços públicos são as principais medidas na prevenção da Covid-19. Medidas adotadas para salvar vidas, mas que no território esquizo-brasileiro-bolsomínico  se tornou “coisa de comunista”. Em uma decisão absurda tomada nesta terça-feira (30 de junho) a desembargadora Daniele Maranhão Costa, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), derrubou a liminar que determinava  ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) o uso de máscaras em espaços públicos no Distrito Federal.

A decisão foi tomada após um pedido da Advocacia-Geral da União (AGU) que recorreu da decisão da Justiça Federal do DF que obrigava o dito presidente a usar máscara quando estivesse em espaços públicos. Uma medida que um chefe de Estado realmente comprometido com seu povo tomaria espontâneamente. Não é o caso. O Governo Federal mais uma vez utilizou o dinheiro público, com os serviços da AGU, para satisfazer aos caprichos de um presidente que nada faz efetivamente para combater o avanço da pandemia do novo coronavírus.

Em um País que ultrapassa a marca dos 60 mil mortos com 1,4 milhão de pessoas infectadas, o presidente emprega recursos públicos para bater o pé e seguir desrespeitando a cada um dos brasileiros que está na luta para se manter vivo em meio a tantas ameaças. Segundo a AGU, a decisão de obrigar o senhor Messias a usar máscara era rígida demais!

Lembrando que no Distrito Federal, a medida de obrigatoriedade do uso do item de proteção está em vigor desde o dia 30 de abril. Seria óbvio que o presidente também utilizasse a máscara em público, mas não! Prefere proliferar seu negacionismo irresponsável que, ao mesmo tempo é também responsável por esse avanço descontrolado da pandemia em nosso território.

Depois de insinuar que a Polícia Federal deveria zelar pela segurança da família dele, Bolsonaro volta a defender o foro privilegiado ao seu 01, e segue a utilizar os serviços públicos para defender seus interesses. Ainda que seja um capricho como este que tantas vezes serviram para que ele fosse comparado a uma criança mimada. De minha parte, não conheço crianças tão mesquinhas e egoístas a esse ponto.

Segundo a desembargadora que derrubou a liminar, a medida contra o presidente não se justifica porque já existe um decreto que obriga os moradores do DF a usarem a máscara. Segundo ela, essa medida “esvazia a necessidade de intervenção do Poder Judiciário para reconhecer a mesma obrigação já constante da norma”.  E segue: “(…) bastando que o Distrito Federal se valha de seu poder de polícia para fazer cumprir a exigência, ou sancionar o infrator com a imposição de multa, em caso de não observância.”

Em todo o Distrito Federal quem não usa máscara recebe multa de pelo menos R$ 2 mil. E Bolsonaro? … Bem, este segue a dificultar o trabalho dos gestores públicos que realmente querem atuar no combate a COVID-19. Haja coração para aguentar tantas pragas!


¹ Lillian Bento é jornalista. Mestra em Comunicação. Professora e pesquisadora em Cinema e Audiovisual.

Categorias: Ámérica do Sul, Opinião, Política
Tags: , , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.