Então índio entendeu que o Deus dos brancos é ruim

12.07.2020 - Itália - Loretta Emiri

This post is also available in: Italiano

Então índio entendeu que o Deus dos brancos é ruim
CULTURAS

 

 

Em janeiro de 1985, o Arquivo Indigenista da Diocese de Roraima publicou um trabalho por mim organizado e intitulado “Depoimento de Gabriel Viriato Raposo”. Nele traduzi, do italiano de volta para o português, os trechos mais representativos do livro “Ritorno alla maloca”, que tinha sido publicado na Itália em maio de 1972.

As palavras que seguem são as mais líricas e sofridas do depoimento do Gabriel, de etnia macuxi.  Representam a síntese do que os indígenas de Roraima enfrentaram quando os homens brancos invadiram seus territórios e suas vidas. Pura poesia:  etnográfica, original, potente.

 

Olha, quando branco chegou na nossa terra,
índio pensava que branco estava do lado de Deus,
índio pensava que Deus tinha vindo visitá-lo,
tanto é que branco tem tudo e índio não tem nada.
Branco tem arame farpado, nós não temos.
Branco tem livro, nós não tempos.
Branco tem machado, nós não temos.
Branco tem carro, nós não temos.
Branco tem avião, nós não temos.

Mas branco chegou e roubou as nossas terras,
e o índio não podia mais caçar.
Falou que as terras boas eram dele,
falou que os peixes dos rios e dos lagos eram dele.
Depois trouxe as doenças,
depois aproveitou-se das nossas mulheres.
E índio revoltou-se,
então o branco matou nossos antepassados,
matou-os, massacrou-os muito,
e índio fugia tão ligeiro como a coisa mais ligeira.
Então índio entendeu que o Deus dos brancos é ruim.

Depois branco voltava dizendo
que ele era bom,
que queria morar perto de nós,
e nós ficávamos contentes.
Dizia: “Compadre, é bom que eu esteja aqui,
eu não levo embora as tuas terras,
enquanto eu estiver aqui
terá carne pra você e seus filhos”.
E índio dizia: “Tá bom patrão, fica aqui”.

O branco prometia e não dava,
e continuava a tirar as nossas terras.
Dizia que as terras eram dele,
que o veado era dele,
que o peixe era dele,
e que tudo era dele.
E índio tinha muita fome.
Você sabe o que a fome?
A fome não é brincadeira, sabia?
Eu te digo, a fome não é brincadeira.

Categorias: Ámérica do Sul, Assuntos indígenas, Cultura e Mídia
Tags: , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.

maltepe escort