Esconder números e desaparecer com os corpos

10.06.2020 - Rio de Janeiro, Brasil - Redação Rio de Janeiro

Esconder números e desaparecer com os corpos
(Crédito da Imagem: Eneas de Troya)

Por Joana Rozowykwiat/Desacato

Aos mortos da pandemia são negadas as cerimônias fúnebres. Os que ficam são privados de direito de se despedir como é costume. Vivem o luto de outra forma.

No ano passado, Dona Elzita Santa Cruz despediu-se da vida, aos 105 anos, sem poder velar o corpo de seu filho, Fernando Santa Cruz. As famílias de outros 433 desaparecidos políticos, vítimas da ditadura militar, também tiveram esse direito negado.

Nesta terça, em meio a uma pandemia, o país completa 25 dias sem ministro da saúde. No lugar de bons gestores, médicos, técnicos, especialistas em saúde pública, temos na pasta militares. Já são 25 deles na linha de frente do combate(?) à maior crise sanitária de nossa história.

A Covid-19 já matou cerca de 37 mil pessoas aqui. Na semana passada, cruzamos a terrível marca de um óbito por minuto. O presidente se omite de governar e aposta em remédios exóticos – e perigosos –, que vão da campanha contra o distanciamento social, até a utilização da cloroquina. E parece que o enxofre pode entrar na sua lista. Certamente já estamos no inferno.

Bolsonaro investe também na desinformação. Resolveu restringir o acesso aos dados oficiais e oferecer informações conflitantes. O apagão de dados joga contra a ciência e a saúde pública, impede o controle social, pode conduzir gestores ao erro. E tem um significado muito doloroso para o país.

Aos mortos da pandemia são negadas as cerimônias fúnebres. Os que ficam são privados de direito de se despedir como é costume. Vivem o luto de outra forma. Os mortos da pandemia fazem sofrer seus parentes, amigos, colegas de trabalho, médicos, enfermeiros. Eles existem, assim como a dor da perda. Os mortos da pandemia têm o direito de constar nos dados. E todo mundo tem o direito de saber que morreram.

Eles não podem esconder os corpos outra vez. Eles, com novas táticas, mas, de novo, os velhos hábitos.

Categorias: Ámérica do Sul, Direitos Humanos, Opinião, Política
Tags: , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.