Depois do fim de um mundo

18.04.2020 - Mar del Plata, Argentina - Alicia Blanco

This post is also available in: Inglês, Espanhol, Francês, Italiano, Catalão

Depois do fim de um mundo

“Auroville 2046” é um conto que sua autora e Pressenza disponibilizam hoje para os leitores em 4 idiomas (espanhol, português, francês e inglês). Para ler e compartilhar.

 

Este título teria sido muito menos oportuno há dois meses. Pareceria mais distante, um simples exercício de imaginação. Hoje, quando milhões de pessoas sentem que o mundo que conhecemos desaparece, essa expressão assume um novo significado e nos confronta com um desafio inevitável.

A história de Débora Nunes centra-se na cidade experimental de Auroville, que Mirra Alfassa, a “Mãe” fundou na Índia no final da década de 1960 e que hoje é referência para muitos. Passando por partes de sua história, Débora constrói uma ficção na qual projeta para 2046 o surgimento do sistema mundial e, o que é mais interessante, a substituição gradual da nova escala de valores para uma nova organização social.

Sem entrar em detalhes, antecipo que o livro propõe Auroville como um modelo, uma maneira possível de viver, de responder ao que está por vir. Obviamente – como acontece com tudo – a proposta pode ser discutida, mas o que me parece valioso, o que acredito ser corajoso e importante, é a convicção de que é possível imaginar um futuro melhor e propor a outras pessoas que o construam, –“co-construam um sonho ”–Debora diz. Construir coletivamente. É uma opção em que muitos de nós apostamos.

Tudo parece indicar que a eclosão está mais próxima do que Débora previra. Do outro lado do isolamento global, ainda existe um modo de vida integralmente violento e desequilibrado. Vamos continuar aceitando isso como inevitável? Continuaremos a aceitar a guerra e a pobreza de milhões porque estão distantes? a especulação financeira até que esta afete nossas poupanças? a necesidade do outro porque não é problema meu? Não me pergunto o que  farão os donos do poder, mas o que faremos nós com essa oportunidade pessoal e coletiva.

Acredito que este pequeno livro é uma advertência, um alerta, um aviso. É um convite para refletir, assumir o controle e agir para mudar o curso das coisas quando ainda temos tempo, pouco. É um convite para ouvir sinceramente, reconhecer que nenhum de nós tem a fórmula, que precisamos construí-la com os outros, co-construir.

O livro apresenta um esboço, uma possibilidade, um ponto de partida para discussões, trocas, busca de alternativas, a prática de novos comportamentos pessoais e coletivos, um convite para tornar realidade um mundo verdadeiramente humano. Por que não unir forças nessa direção? Como não fazê-lo?

Proponho aceitar o convite e abrir o jogo.

Ciro Sales (Salvador)

“Através do relato despretensioso de sua história de vida, uma mulher nos conduz por uma jornada reflexiva que, agora em 2020, com o mundo sacudido pela pandemia do coronavirus, parece fazer ainda mais sentido. A leitura fácil do livro e a riqueza de imagens que nos proporciona são a combinação perfeita para fazer ecoar o clamor por uma tomada de consciência. Os limites já se impuseram: tanto biofísicos e geopolíticos quanto aqueles do excesso de razão e do egoísmo. Urge fazermos escolhas importantes, e repensar a maioria daquelas já feitas. O mundo de hoje já é o de ontem. No livro, Indra antevia um novo mundo, e já havia ajustado sua existência ao propósito de agir pelo bem comum, regida pela compaixão, percebendo a integração entre todos os seres e a natureza e o necessário equilíbrio entre a materialidade e o campo sutil. Entre nós, algumas Indras já existem, e nos apontam caminhos a seguir: Débora certamente é uma delas.”

Lena Ferreira (Brasilia)

“A primeira vez que li Auroville, 2046 – depois do fim de um mundo, de Débora Nunes, me soou como uma poesia profética. Agora, em 2020, vejo essa profecia começar a se realizar. Não sabíamos o que faria a humanidade abrir os olhos para a insustentabilidade de seu modo de vida estressante e consumista. Torcemos para que essa consciência esteja aflorando agora. Mas o que fazer? O que acontecerá daqui para a frente? Isso é o que nos responde esse conto. Ainda dá tempo de construirmos nossas Aurovilles em nossas ecovilas, em nossa quadra, em nosso prédio, em nossa cidade… E o conto é um inspirador modelo sobre como isso pode ser feito.”

Nahyda Franca (Rio de Janeiro)

“O livro de Débora Nunes nos transmite com muita clareza e simplicidade as medidas que precisam ser multiplicadas para que possamos recriar um novo modelo civilizatório no nosso Planeta Terra. Um alerta claro e preciso do que já vem acontecendo como catástrofe global – presente no pesadelo de Indra – ressaltando a urgência para a ação de cada uma e cada um rumo a transformação individual e coletiva. O alento e a esperança de que um outro mundo pode emergir é apresentado pela diversidade de inúmeras ações e movimentos no mundo inteiro que já acontecem com esse intuito. Um belo, generoso e profundo convite para nos engajarmos por inteiro nesse movimento e nos re-inventarmos com esperança, muito amor, afeto e criatividade.”

Marcos Arruda (Rio de Janeiro)

“As mulheres, e o que se chamou de “feminização do mundo”, tiveram um papel preponderante em transformar a cultura de resolução de conflitos pela guerra ou de priorizar a competição em detrimento da cooperação.” Este parágrafo é um dos holofotes que ilumina a caminhada que Débora nos convida a fazer junto com Indra, a personagem que dá sentido ao livro. A estória de Indra contado por Débora é um épico. O enredo é complexo, antevê o desencadeamento do colapso climático e suas abismantes consequências para a civilização humana e para a vida no Planeta. Mas nos chama a visualizar também os fatores de “ressurreição”, resultantes do trabalho perseverante de educadoras e ativistas como Indra. O livro é um motivador do Sonhar, Planejar, Realizar e Celebrar. Em cada uma destas etapas, dragões se levantam, tentando colocar no caminho obstáculos intransponíveis. Com mente inspirada e coração vibrante, Débora nos mostra que é dentro de nós, e é unindo forças com o dentro dos outros, que a humanidade vai fazendo surgir inovadoras soluções. Sim, afirma o livro, outra humanidade é possível e, em Indra e naquelas/eles que sintonizam com ela, essa humanidade filha da Terra e do Sol, pulsante de amor e de vida, já está virando realidade.”

Tania Slongo (Florianópolis)

“Auroville nos faz pensar num novo mundo que surge depois de todas as agressões da humanidade à Terra. O que nos espera? O que poderemos fazer? Este conto instigante de Débora Nunes nos brinda com a inspiração e ousadia do sonho de muitos, que estão gestando a  cidade de Auroville. Isso nos traz a reflexão, nos mostra que precisamos de forma urgente  virar a chave, buscar mais harmonia, equilíbrio e doar mais à mãe terra do que tirar. É possível outro mundo, outra humanidade. Precisamos viver a energia do perdão e a energia do amor.”

Ordep Serra (Salvador)

“Débora Nunes escreveu um livro profético. Ficção verídica:  a um mundo de mentira, seu livro diz a verdade nua e crua, mostra o desastre iminente que muitos não querem ver: revela a catástrofe em construção na sinistra oficina do capitaloceno. Contempla-a já realizada, encara  o cataclismo e o estuda com a lucidez onírica dos poetas. Mas sem desistir da esperança. Seu livro é um sonho que nos visita de olhos abertos,  reclamando força e coragem, transmitindo alento. Fala do naufrágio a quem navega cegamente num barco furado.  Antevê a ruína e promete a reconstrução. Uma parábola: aviso e apelo, ditado por amor ao próximo e ao distante, aos contemporâneos e aos pósteros.  Sim, este livro merece ampla difusão.”

Juliana Faber (Bahia)

“Foi uma super alegria poder ler Auroville , 2046. De uma forma simples, inspiradora e que toca o coração, o livro traz o caminho para uma sociedade mais harmônica e regenerativa. Nos abre os olhos para o que está por vir e para as possíveis soluções simples e acessíveis também. Nos sensibiliza pela beleza das palavras, pelo toque suave no coração, pelo caminho de amor e esperança indicado. Gratidão Débora pela linda inspiração.”


– Ciro Sales. Ator e produtor cultural. Salvador, Rio de Janeiro, Brasil
– Lena Ferreira. Designer em sustentabilidade, agrofloresteira, ecovileira. Brasília, Brasil
– Nahyda Franca. Educadora socioambiental, coordenadora IBASE. Rio de Janeiro, Brasil
– Marcos Arruda. Socioeconomista, cidadão do mundo, ecovileiro. Rio de Janeiro, Brasil
– Tania Slongo. Advogada, feminista e ambientalista. Florianópolis, Brasil
– Ordep Serra. Escritor, membro da Academia Bahiana de Letras.Salvador, Brasil
– Juliana Faber. Cuidadora das águas de Piracanga

 

Baixar Auroville 2046

Categorias: Ámérica do Sul, Ecologia e Meio Ambiente, Humanismo e Espiritualidade, Opinião
Tags: , , , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

 

Caderno de cultura

Cuaderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.