Coronavírus: uma porta de entrada para o renascimento da civilização humana

10.04.2020 - Tony Robinson

This post is also available in: Inglês, Espanhol, Francês

Coronavírus: uma porta de entrada para o renascimento da civilização humana

À medida que a covid-19 varre o planeta, tendo aparentemente sido reduzida a números controláveis na China, os governos e os líderes mundiais estão a lutar para se adaptarem à nova realidade. Tornou-se claro que tudo o que pensávamos saber sobre a forma como a economia funciona é falso. De facto, podemos sobreviver sem mercados! Podemos reduzir o consumo! Não temos de estar sempre a trabalhar! Podemos reduzir a actividade humana ao essencial do abastecimento alimentar e dos cuidados de saúde! Não é a forma mais divertida de viver, mas podemos fazê-lo!

Amanheceu um novo dia.

E, no entanto, será a raça humana capaz de se unir na sua hora global de necessidade e arrancar o poder à elite financeira e às potências militares que subjugaram a humanidade a vidas cheias de sofrimento e indignidade para a vasta, vasta maioria?

É evidente que as prioridades terão de ser redefinidas e que uma nova sociedade terá de emergir com base, entre outros, nos seguintes princípios:

Uma verdadeira democracia em que os representantes eleitos representem verdadeiramente as pessoas que neles votam e não os interesses financeiros que pagam pelas suas campanhas, um modelo democrático que atribua proporcionalmente a representação de acordo com os votos expressos.

A plena implementação dos direitos humanos existentes, tal como definidos na Declaração das Nações Unidas, e o seu ulterior desenvolvimento em novas áreas.

Um sistema descentralizado em que as decisões são descentralizadas o mais próximo possível das bases da sociedade, permitindo às comunidades assumirem a responsabilidade pelo seu próprio desenvolvimento e bem-estar, mas permitindo às regiões trabalharem em conjunto para lidar com situações demasiado grandes e complicadas para as enfrentarem sozinhas.

Um sistema económico que compensa o trabalho produtivo real feito e os serviços prestados, por oposição a um sistema movido pela especulação, pela usura e pelo jogo a dinheiro; um sistema em que as pessoas decidem sobre a criação de dinheiro, e não de bancos privados; um sistema em que as pessoas decidem sobre o custo dos bens, das matérias-primas e dos serviços e não sobre os “mercados” que foram instalados na consciência pública como forças da natureza fora do controlo dos seres humanos.

Um sistema económico que também proporciona um rendimento básico para todos, que permite a cada ser humano ter as suas necessidades básicas cobertas, para que nunca tenha de temer pela sua saúde, pela sua habitação e pelas contas dos serviços públicos, do berço à sepultura.

Uma propriedade comum dos meios de produção de tudo o que é essencial para proporcionar o bem-estar humano.

Um sistema global em que todas as nações têm uma palavra a dizer na refundada Nações Unidas, retirando o poder de veto a certos países que acreditam ter o poder para chantagear o mundo inteiro.

A eliminação das fronteiras para que as pessoas possam viajar para onde quiserem, compreendendo que, num mundo equitativo e sem desigualdades, já não haverá a pressão sobre as comunidades para que migrem grandes distâncias em busca de um futuro melhor e, enquanto os jovens e os idosos terão sempre o desejo de viajar, a maioria das pessoas gosta de se estabelecer em comunidades onde partilhem a paisagem social e cultural que lhes é querida, perto do local onde vivem as suas famílias e entes queridos.

Um planeta desarmado em que continuará a haver necessidade de forças armadas para funções humanitárias e missões de resolução de conflitos – porque haverá sempre catástrofes naturais e conflitos – mas estas forças responderão perante a comunidade global, e as nações não poderão submeter as suas populações a situações de vida desumanas pela força.

Reciclar tudo para impedir a extracção contínua de matérias-primas do planeta, compreendendo que o nosso planeta é finito, e que é nossa responsabilidade desenvolver um modo de vida que seja sustentável não só para as próximas gerações, mas para mais um milhão de gerações vindouras. Somos verdadeiramente os guardiães do planeta e temos de assumir essa responsabilidade com a seriedade que ela merece.

De igual modo, temos de proteger o nosso ambiente agora e devolver à natureza todo o espaço que pudermos. Converter toda a energia em fontes renováveis, porque eliminar a combustão de hidrocarbonetos e a energia nuclear é também uma parte essencial do nosso mundo futuro.

Uma cultura de não-violência, porque a violência que vivemos diariamente nas nossas sociedades: física, económica, psicológica, sexual e racial, entre muitas outras, não é propícia a uma sociedade que favorece o desenvolvimento da vida humana e a extraordinária capacidade de consciência de que fomos dotados.

Nada do que foi dito é novo. Há legiões de pessoas em todo o mundo que trabalham nestas áreas e muitas mais.

Mas agora temos uma janela de oportunidade, porque com o colapso do sistema global como resultado da covid-19 somos capazes de fazer o que Guillermo Sullings escreveu no seu excelente livro “At the Crossroads of Humanities Future”, do qual muitos dos pontos acima foram retirados. Como ele aponta, há necessidade de mudar tudo ao mesmo tempo:

“Temos de compreender que não será possível mudar uma parte sem mudar tudo, porque cada parte responde à lógica do sistema maior em que está contida. Não vale a pena pensar em cada parte separadamente para gerar um monstro como o de Frankenstein que só conseguiu ganhar vida na ficção”. É por isso que o projeto da Nação Humana Universal, embora pareça paradoxal, é mais realista do que projetos que mudam apenas uma parte e a inserem no sistema atual”.

Mas, como ele também diz:

“No entanto, nada disto acontecerá até que um espírito adormecido desperte de dentro para connectar os seres humanos ao seu significado evolutivo: este contacto com o seu interior de onde emergirá a necessidade de ser coerente e de tratar os outros como eles querem ser tratados. Mas quando isso acontecer, tudo começará a mudar. E este momento está a aproximar-se porque a saturação que este avançado vazio está a produzir no interior dos seres humanos será o detonador do seu renascimento”.

O Coronavírus está a criar este vazio que avança dentro dos seres humanos, uma vez que estamos fisicamente isolados um do outro e do sistema económico que nos exige ser escravos de uma elite todo-poderosa.  Será que estamos prestes a assistir ao renascimento da civilização humana com base na necessidade de tratar os outros como queremos ser tratados?  Esperemos fervorosamente que sim.

Categorias: Opinião, Saúde
Tags: , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.