Ditaduras latino-americanas não sabiam que dispositivos de mensagens criptografadas tinham sido adulterados e que os EUA estavam usando-os para espionar suas comunicações

A CIA, agência de inteligência dos Estados Unidos, espionou durante décadas as ditaduras de países como Brasil, Argentina, Chile, Uruguai e Paraguai por meio de uma empresa suíça chamada Crypto AG que secretamente pertencia à própria agência norte-americana. Foi o que revelou o jornal Washington Post em matéria publicada nesta segunda-feira (17/02) após ter acesso a documentos sigilosos.

Segundo o periódico, os governos ditatoriais da América Latina, na segunda metade dos anos 1970, adquiriram as máquinas de criptografia da Crypto AG para auxiliar a Operação Condor – um sistema continental com o objetivo de exterminar opositores políticos desses regimes.

De acordo com o Post, as ditaduras latino-americanas não sabiam que os dispositivos, usados para enviar mensagens criptografadas, tinham sido adulterados e que os EUA estavam usando-os para espionar suas comunicações.

Com essa espionagem, os EUA puderam conhecer as atrocidades cometidas por estas ditaduras, que deixaram os funcionários da CIA alarmados com as violações dos direitos humanos. Apesar disso, os arquivos não revelaram nenhum esforço substancial por parte de agências de espionagem ou de altos funcionários norte-americanos para deter as violações dos direitos humanos nos países envolvidos.

“O que esses documentos não mostram é qualquer esforço substancial da agência de espionagem ods EUA, ou de oficiais da inteligência, de divulgar ou parar com as violações de direitos humanos”, diz o jornal.

Além da América Latina, a Crypto AG vendeu máquinas manipuladas para mais de 100 nações, permitindo que a inteligência norte-americana adquirisse conhecimento de outros acontecimentos turbulentos em vários continentes.

A empresa de criptografia foi liquidada em 2018 e seus ativos foram adquiridos por duas empresas: CyOne Security, que vende sistemas de segurança para o governo suíço, e Crypto International.

O artigo original pode ser visto aquí