Milhares marcham em Santiago do Chile contra a repressão

19.01.2020 - Santiago do Chile - Prensa Latina

Milhares marcham em Santiago do Chile contra a repressão

Milhares de pessoas marcharam hoje nesta capital, em silêncio, e a maioria vestida de preto, para prestar homenagem às vítimas da repressão e denunciar violações dos direitos humanos no país.

A manifestação de protesto foi realizada no dia em que três meses do surto social que gerou um movimento social sem precedentes em rejeição às políticas neoliberais do governo de Sebastián Piñera e em demanda de profundas mudanças que melhoram a vida dos chilenos humilde.

Muitos dos participantes da chamada marcha contra a repressão se reuniram na Plaza de la Dignidad, centro de todos os protestos nos últimos 90 dias, de onde avançaram pela Alameda até o palácio de La Moneda.

Lá, os milhares de participantes levantaram os punhos esquerdos e cobriram um olho com a outra mão, em homenagem às mais de 450 pessoas que sofreram ferimentos graves nos olhos devido ao impacto dos pellets e que se tornaram o principal exemplo de a excessiva repressão policial contra manifestantes.

Embora a marcha tenha ocorrido em completo silêncio, depois de chegar a La Moneda, os participantes começaram a cantar slogans pedindo a renúncia do presidente Sebastián Piñera e o povo unido nunca será derrotado, entre outros.

A mobilização foi convocada por um grande grupo de organizações, incluindo a Central Unitária de Trabalhadores, o Colégio de Professores, o Coordenador de Vítimas de Trauma Ocular, os grupos de Parentes de Detidos Desaparecidos e Parentes de Executivos Políticos e o Coordenador Nacional. de alunos do ensino médio.

O objetivo dos organizadores era chamar a atenção e promover a reflexão na sociedade chilena sobre a estratégia repressiva usada pelo governo Piñera e exercida pelo corpo de Carabineros do Chile, com repetidas violações dos direitos fundamentais e constitucionais da população.

Precisamente hoje, soube-se que, ao longo desses três meses, o número de pessoas feridas pela repressão ultrapassa três mil e 600, sendo mais de 450 com lesões faciais graves, até dezenas com a perda de um dos olhos, segundo relatórios do Instituto Nacional de Direitos Humanos.

A esse respeito, Marta Valdés, presidente da organização Vítimas de Trauma Ocular e assistente da marcha, denunciou que até agora este mês já existem sete casos relatados de lesões desse tipo, para que a repressão permaneça a mesma, e reivindicou a renúncia do general Mario Rozas, diretor do corpo de Carabineros.

 

Categorias: Ámérica do Sul, Direitos Humanos
Tags: , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

 

Caderno de cultura

Cuaderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.