Greve contra reforma da previdência bloqueia cinco portos na França

16.01.2020 - Paris - Prensa Latina

Greve contra reforma da previdência bloqueia cinco portos na França

Grevistas contra a reforma da previdência promovida pelo governo francês bloquearam hoje os portos de Le Havre, Rouen, Nantes-Saint-Nazaire, La Rochelle e Marselha.

A medida faz parte da greve convocada por sindicatos e organizações políticas e sociais contra a iniciativa governamental, protesto que entra nesta quarta-feira em seu quadragésimo-segundo dia.

Segundo o portal Franceinfo, em Le Havre o tráfico portuário funciona muito lento, em Rouen foram reportados engarrafamentos, em Nantes os navios esperam em alto mar, em La Rochelle a situação é complexa e em Marselha os estivadores e marinheiros fecharam os acessos.

A chamada ‘operação portos mortos’ começou ontem à noite e se estenderia durante três dias.

O bloqueio destas instalações vitais para a economia de qualquer país é parte das novas ações convocadas em repúdio à reforma da previdência pela Intersindical, movimento integrado pela Confederação Geral do Trabalho (CGT), Força Operária (FO), a Federação Sindical Unitária (FSU) e os Solidários, entre outras organizações.

Os três dias de escalada na pressão sobre o governo para que retire seu plano terminam na quinta-feira com uma mobilização nacional, a sexta desde que a greve começou em 5 de dezembro.

Nos dias 5, 10 e 17 de dezembro, e 9 e 11 de janeiro, centenas de milhares de franceses saíram às ruas do país para exigir a eliminação do projeto que consiste em estabelecer um sistema universal por pontos, que deixaria para trás os 42 regimes especiais de aposentadoria vigentes.

Há cinco dias, o primeiro-ministro Edouard Philippe anunciou a retirada provisória da idade mínima de 64 anos, à qual deveria chegar o cidadão para cobrar a aposentadoria sem descontos, como modalidade para conseguir o equilíbrio financeiro da reforma, decisão que só satisfez sindicatos reformistas, liderados pela Confederação Francesa Democrática do Trabalho (CFDT).

Philippe foi categórico ao afirmar a determinação do executivo de manter o impulso ao sistema universal por pontos, sob o argumento de que seria mais justo e simples que o atual.

Na próxima semana, o Conselho de Ministros deverá aprovar o rascunho para converter em projeto de lei a reforma da previdência, que chegaria à Assembléia Nacional em meados de fevereiro.

Devido ao empenho do governo, a Intersindical e forças políticas de esquerda, como o Partido Comunista e A França Insubmissa, reafirmam sua oposição total à iniciativa, alegando que seria devastadora para o bolso dos aposentados e lucrativa para os interesses financeiros.

O líder dos insubmissos, o deputado Jean-Luc Mélenchon, propôs ontem a seus colegas comunistas e socialistas apresentar no Parlamento uma moção de censura contra o governo.

Categorias: Europa, Internacional, Política
Tags: , , , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.