Há muitos de nós? Questões demográficas não devem ser tabu

16.12.2019 - Thomas Schmid

This post is also available in: Inglês, Espanhol, Francês, Italiano

Há muitos de nós? Questões demográficas não devem ser tabu

À medida que as preocupações com as alterações climáticas se intensificam, o debate sobre a questão demográfica também começou: o nosso planeta pode alimentar 8 mil milhões de pessoas? Não é fácil responder a esta pergunta com um simples sim ou não, dependendo de um grande número de fatores inter-relacionados e do nível de consumo que cada um de nós considera necessário para nós mesmos. E quanto espaço queremos, ou temos de deixar formas de vida não humanas no nosso planeta?

Enquanto isso, devemos esclarecer alguns mal-entendidos: aqueles que querem resolver o problema demográfico não querem produzir genocídio ou esterilização em massa nos países do terceiro mundo. O próprio Malthus, que deu seu nome à corrente muitas vezes vituperativa do neo-malthusianismo, sendo um bom pastor anglicano, pregou a castidade em 1800 para limitar o crescimento populacional. Os tempos mudaram e a população cresceu de um bilhão naquela época para quase 8 bilhões hoje, oito vezes mais do que em dois séculos. Hoje, temos muitos outros elementos – e vivemos num mundo que mudou radicalmente – para responder à pergunta sobre a população mundial.

Como podemos medir se um país atingiu o nível de sobrepopulação? Quando as necessidades da população já não podem ser satisfeitas e é necessário recorrer a importações maciças de alimentos e energia do estrangeiro. É o caso do Reino Unido, que actualmente produz apenas 52% dos alimentos (e 64% da energia) que consome. O nível de superlotação também depende de muitas variáveis. Ou o Reino Unido reduz o desperdício de alimentos e recursos, reduzindo assim o seu consumo, ou tem de dar à luz menos crianças (melhor para ambos), ou terá necessariamente de viver à custa de outros países e continentes que terão menos recursos disponíveis para a sua própria população local.

Talvez devêssemos esclarecer que o termo “crescimento zero”, geralmente entendido como negativo, não significa que não haja mais crianças. De fato, isso representa uma condição ótima para a estabilidade, em que o número de nascimentos compensa perfeitamente o número de óbitos.

É inútil perguntar “quem tem mais” ou apontar o dedo a alguém (se se trata de uma sociedade ocidental de consumo ou de povos do Terceiro Mundo com populações em rápido crescimento). Temos de cooperar à escala global para ultrapassar a crise ambiental que afeta o nosso planeta, envolvendo todas as populações num processo democrático absolutamente baseado na acção voluntária e na compreensão, e não na repressão.

Para as populações do Terceiro Mundo, ter filhos é muitas vezes a única esperança de sobrevivência. De facto, a elevada taxa de mortalidade infantil e a ausência de sistemas de pensões que garantam aos idosos uma velhice digna, bem como a falta de autodeterminação das mulheres, conduzem a taxas de crescimento populacional muito elevadas na África Subsariana. Hoje, a população está crescendo rapidamente nos subúrbios do Terceiro Mundo, em ambientes altamente urbanizados. Bangladesh tem uma densidade populacional de 1.145 habitantes por quilômetro quadrado, mais de quatro vezes a do Reino Unido.

Lagos, a capital da Nigéria, será a maior cidade do mundo em 2060, com quase 60 milhões de habitantes (atualmente cerca de 21 milhões). Triplicar rapidamente a população de uma aglomeração urbana não cria hipóteses de sobrevivência, antes pelo contrário, reduz-as. Como garantir o abastecimento de água potável e de alimentos para todos, concentrados numa das zonas mais pobres e mais desfavorecidas do mundo? Esta pergunta diz-nos respeito, mesmo que vivamos longe.

Finalmente, ao considerar a questão demográfica, é necessário levar em conta o mundo não humano, isto é, todas as formas de vida e seu direito de existir: animais, plantas e fenômenos que normalmente consideramos inertes, mas que, de acordo com os crescentes estudos do mundo científico, não são: a própria terra, as nuvens, a água e até mesmo as pedras. Como espécie humana, não podemos considerar que 100% do planeta é explorável para as nossas necessidades. O desaparecimento de florestas, zonas húmidas e vida selvagem (e a consequente extinção em massa de muitos animais e plantas) ameaça a sobrevivência a longo prazo da nossa própria espécie humana.

A necessidade de passar de um sistema econômico capitalista competitivo para um sistema descentralizado e cooperativo é mais urgente do que nunca. Neste contexto, que medidas deve a nação humana, da qual todos fazemos parte, tomar para abordar a questão demográfica, a fim de responder aos grandes desafios do futuro?

Nos países ocidentais

– Reduzir o desperdício de alimentos, recursos naturais e energia (diminuir) e melhorar a educação nas escolas sobre estas questões.

– Mudança para menos alimentos à base de carne (o gado tem um impacto ambiental muito elevado).

– Aceitar uma ligeira diminuição gradual da população local como fator positivo.

– Acolher os migrantes como se fossem nossos filhos, independentemente das diferenças étnicas, culturais e religiosas.

– Acabar com o consumo de terras que concretiza as áreas rurais e protege as florestas.

– Cooperar com organizações internacionais para abordar a questão demográfica com países pobres.

– Lançar e levar a cabo intensas campanhas de sensibilização, denúncia e pressão sobre o papel das multinacionais e dos poderes económicos, militares e financeiros na determinação das desigualdades e da pobreza.

No Terceiro Mundo

– Acabar com a apropriação de terras, a expropriação de populações locais e o roubo de recursos por multinacionais e países estrangeiros.

– Explorar formas de disseminar contraceptivos através de métodos voluntários.

– Eleger governos democráticos e não-corruptos capazes de implementar medidas sociais e maior autodeterminação das mulheres.

– Parar a desflorestação.

Categorias: International issues, Peace and Disarmament
Tags:

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.