Colômbia: comitê de greve coloca condições para nova mesa de diálogo com Duque

29.11.2019 - São Paulo, Brasil - Opera Mundi

Colômbia: comitê de greve coloca condições para nova mesa de diálogo com Duque
Movimentos sociais enviaram carta com condições para participar de diálogo com Duque (Crédito da Imagem: CUT Colômbia)

Na terça (26/11), membros do comitê se levantaram de uma mesa de negociações convocada pelo governo após rechaçarem a presença na reunião de empresários e outros setores que não estavam nos protestos

O Comitê Nacional de Greve na Colômbia, formado pelas lideranças dos principais movimentos populares que encabeçam as manifestações, apresentou nesta quinta (28/11) ao presidente Iván Duque uma lista de condições para a instalação de uma nova mesa de diálogo a fim de discutir as demandas sociais que mobilizam milhares de pessoas desde o último dia 21 de novembro.

O grupo, que reúne sindicatos, estudantes, indígenas e comunidades afrodescendentes, enviou uma carta aberta ao governo em que propõe um “diálogo inclusivo, democrático e eficaz” e convocou uma nova “grande jornada de mobilização” no dia 4 de dezembro.

Nesta semana, Duque havia convocado uma “mesa nacional de diálogo”, que fracassou. Na terça-feira (26/11), os membros do comitê se levantaram da mesa de negociações do governo após rechaçarem a presença de empresários e outros setores que não estiveram presentes nos protestos na reunião. A CUT (Central Unificada dos Trabalhadores) chamou o encontro de “monólogo nacional”.

De acordo com o texto, as condições para participar da nova mesa de diálogo são:

  1. a montagem de uma mesa plural e diversa, com representantes de todas as organizações que participam da articulação do comitê;
  2. a inclusão de cinco temas centrais:
    – a análise das petições do comitê sobre a política econômica e social do governo e o cumprimento de acordos com movimentos estudantil, camponês, sindical e outros setores;
    – implementação integral do Acordo de Paz com a antiga guerrilha FARC e o estudo de possibilidades para um diálogo com o ELN;
    – a discussão sobre política de segurança, direitos humanos e assassinato de líderes sociais;
    – reforma política e eleitoral e medidas anticorrupção;
    – medidas para garantir os direitos da natureza e a proteção do meio ambiente.
  3. a garantia do direito ao protesto, a desmilitarização das cidades e o fim da violência de forças públicas contra os manifestantes, em especial a praticada pelo esquadrão antidistúrbios.

“A cidadania expressou de forma multitudinária e civilizada as exigências de uma mudança que permita contra-atacar a desigualdade social, assegurar o respeito a seus direitos e consolidar a paz”, diz, no texto, o comitê.

Categorias: Ámérica do Sul, Política
Tags: , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.