Reviravolta no Oriente Médio: os curdos podem resistir

17.10.2019 - São Paulo, Brasil - Outras Palavras

This post is also available in: Espanhol

Reviravolta no Oriente Médio: os curdos podem resistir
(Crédito da Imagem: Kurdishstruggle)

Por Antonio Martins

Surge brecha para que prossiga admirável experiência de autonomia política e feminismo no Curdistão. Invasão turca, tramada com os EUA, estanca diante da reação síria. Turcos temem isolamento e possível confronto com a Rússia.

Os guerrilheiros autonomistas do Oriente Médio, cuja ideologia combina marxismo e anarquismo e que, traídos pelos EUA, pareciam prestes a sucumbir até há poucos dias, podem ter uma chance. Quem conta, num artigo publicado hoje, em Counterpunch, é o veterano jornalista irlandês Patrick Cockburn, sem dúvida o correspondente e analista ocidental melhor informado sobre Síria e Iraque.

Cockburn, que é autor de A Origem do Estado Islâmico, relata que as tropas turcas avançaram rapidamente sobre o Curdistão sírio (no norte deste país), a partir de terça-feira passada, 9/10. O ataque foi deflagrado imediatamente após o famigerado telefonema em que Donald Trump deu sinal verde ao presidente turco, Recipp Erdogan, para a invasão. Soldados e tanques de Ancara rapidamente penentraram na região autônoma de Rojava, acompanhados de milícias. O plano era claro: promover limpeza étnica na região; afastar os curdos (que a Turquia chama de “terroristas”); instalar milhares de refugiados sírios, que migraram provisoriamente para a Turquia nos últimos anos, fugindo da guerra civil em seu país. Mas Erdogan não contava com um fato novo.

A surpresa, continua Cockburn, foi a rápida reação do presidente sírio Bashar Assad. No domingo, 13/10, ele anunciou que seu exército rumaria para o norte do país, para evitar a invasão turca. Pode fazê-lo devido a algo ainda mais inesperado: um acordo com os curdos, perseguidos pela Síria durante longos anos – mas subitamente aliados, diante da ameaça comum representada pela Turquia. O jornalista relata que o exército sírio também entrou em Rojava, ocupando cidades como Manbij e Kobani, próximas ao rio Eufrates, e Qamishli e Hasakah, na fronteira com o Iraque.

A Turquia tem o segundo maior exército da OTAN, enquanto as forças armadas da Síria mal acabaram de vencer uma guerra interna. Porém, explica Cockburn, dois fatores impedem Ancara de avançar. O primeiro é o enorme repúdio internacional contra o ataque aos curdos. Todos os que acompanham o Oriente Médio, frisa o jornalista, conhecem a bravura e a importância da luta das Unidades de Proteção do Povo Curdo (YPG) na luta contra os terroristas do Estado Islâmico (ISIS). E a invasão do Curdistão por Ancara foi tão descuidada que permitiu, entre outros feitos, a fuga de centenas destes terroristas, ultrafundamentalistas que haviam sido aprisionados pelos curdos. A repulsa foi tão forte, aliás, que, na segunda-feira, o próprio Donald Trump pediu a Erdogan que cessasse o ataque, num ziguezague desconcertante.

O segundo fator que dissuade a ofensiva turca é a retaguarda militar que a Rússia dá a Damasco. Foi o entrada de Moscou na guerra civil síria, a partir de setembro de 2015, que impediu a vitória do Estado Islâmico, salvou o país da desagregação completa e protegeu o regime de Bashar Assad. A aliança russo-síria é, portanto, firme – e contra o poderio de Moscou, Erdogan não parece se atrever. O mais provável, diz Cockburn, é que encontre alguma maneira de cantar vitória, para o público interno – e se retire…Os curdos podem ter algum alívio. O acordo com Assad, é claro, será sempre frágil e perigoso. Mas vale a pena prestar atenção neste povo peculiar e em suas invenções política notáveis. São cerca de 30 milhões de pessoas, que nunca tiveram um Estado na era moderna, mas mantêm língua e cultura há mais de dois milênios. Espalham-se por um território que engloba partes do Iraque, Irã, Síria e Turquia. Sua organização política é heterogênea. Particularmente no norte da Síria, constituíram a região autônoma de Rojava. Aí, a influência política predominante é do antigo, Partido dos Trabalhadores Curdos (PKK), organização marxista perseguida pela Turquia.

Porém, este partido passou por uma metamorfose notável, sob liderança de sua referência principal, Abdullah Öcalan. Condenado à prisão perpétua desde 1999 (sua sentença inicial, comutada, foi pena de morte), estuda e escreve fartamente (mais de 40 livros) no cárcere. Sem perder os laços com o marxismo, aproximou-se também de ideias anarquistas, feministas e federalistas. Sob sua inspiração, Rojava constituiu uma federação de comunidades autônomas, regida por conselhos e com marcante presença política das mulheres. A experiência está descrita em diversos textos publicados por Outras Palavras (1 2 3 4)e no livro A Revolução Ignorada.

O acordo com a Síria mostra que os curdos de Rojava foram capazes, também, de desenvolver importantíssima inteligência tática. Num mundo em crise civilizatória, e num Oriente Médio conflagrado, é um alento saber que existem e resistem.

Categorias: Opinião, Oriente Médio, Política
Tags: , , , , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Dia da Não Violência

Dia da Não Violência

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.