Equador: Breves notas após os diálogos entre o presidente Moreno e o Movimento Indígena

15.10.2019 - Mariano Quiroga

This post is also available in: Inglês, Espanhol, Francês, Italiano, Alemão, Grego

Equador: Breves notas após os diálogos entre o presidente Moreno e o Movimento Indígena

O presidente equatoriano Lenin Boltaire Moreno insiste que as mobilizações contra o “Paquetazo” foram incentivadas pelo setor político que responde ao ex-presidente Rafael Correa, desta maneira ele pode continuar com a perseguição arbitrária dos opositores e prendê-los sem provas. O caso mais emblemático ocorreu esta manhã quando a prefeita de Pichincha, Paola Pabón, foi presa em sua casa.

O movimento cívico que iniciou a greve foi superado pela ação dos povos indígenas, que com sua mobilização organizada e digna, tornaram-se os líderes do protesto. Sua força e capacidade de paralisar o país, se proposto, fez Moreno oferecer uma mesa de diálogo, que criou uma comissão para elaborar um decreto para substituir o 883, que despertou o desprezo popular.

Esta comissão será arbitrada pela Conferência Episcopal do Equador e pelos membros das Nações Unidas. Enquanto isso, as lideranças indígenas pediram a desmobilização e o retorno dos indígenas deslocados aos seus territórios.

Depois das celebrações pelo poder do povo para torcer o braço do governo, apesar da brutal repressão, uma certa calma retorna às ruas das principais cidades, ainda que sem classes e com transporte mínimo.

A direita que se agrafou por detrás das decisões do FMI executadas por Moreno mostrou a sua face mais antipopular e o seu prestígio caiu. Enquanto os meios de comunicação estão no centro das revoltas produzidas por pequenos grupos e Rafael Correa e o presidente venezuelano Nicolás Maduro são apontados como supostos instigadores à distância, o sentimento geral é de que o governo deve revogar o decreto “paquetazo”, julgar os crimes cometidos contra o povo mobilizado e devolver seus papéis às instituições.

A incerteza persiste, o estado de exceção continua e o tempo passa para encontrar a fórmula de um decreto que respeite a maioria e garanta a soberania equatoriana diante da interferência do Fundo Monetário Internacional.

A atenção do mundo está voltada para o Equador. As conquistas da poderosa mobilização popular serão avaliadas pelo povo, mas também pelos poderes factuais. Naturalmente, serão os próprios equatorianos que deverão avaliar o que foi alcançado e sua força conjunta, assim como a legitimidade de seus representantes e a capacidade organizativa que lhes permitirá enfrentar novamente quando as promessas não forem cumpridas ou quando forem governadas contra a vontade do povo.

A muito curto prazo, é Moreno quem terá que honrar seus compromissos com a população e esses fatos produzirão um reordenamento das forças. O equilíbrio da brutal repressão dará um tom trágico às conquistas da mobilização popular.

Categorias: Ámérica do Sul, Assuntos indígenas, Assuntos internacionais, Direitos Humanos, Internacional
Tags:

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.