Comissão de Combate à Violência contra a Mulher debaterá feminicídios

20.09.2019 - Brasilia, Brasil - Agência Patrícia Galvão

This post is also available in: Espanhol

Comissão de Combate à Violência contra a Mulher debaterá feminicídios
(Crédito da Imagem: Francisca Silva)

A Comissão Permanente Mista de Combate à Violência contra a Mulher aprovou nesta quarta-feira (18) a realização de um ciclo de debates sobre feminicídio, que será realizado em data a ser definida.

(Agência Senado, 18/09/2019 – acesse no site de origem)

Para debater o tema, a comissão pretende ouvir representantes do Ministério da Justiça; do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos; do Poder Judiciário: do Ministério Público: de polícias; e de associações da sociedade civil.

O Atlas da Violência, publicado recentemente pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), mostra a redução de quase todos os tipos de crime e o aumento expressivo do feminicídio e da violência doméstica. Foi o que destacou a senadora Leila Barros (PSB-DF), ao justificar o requerimento para a promoção do ciclo de debates.

A comissão aprovou ainda requerimento da vice-presidente do colegiado, deputada Elcione Barbalho (MDB-PA), que prevê a realização de audiência pública sobre o Formulário Nacional de Risco e Proteção à Vida (Frida).

O instrumento foi criado para prevenir e enfrentar a violência doméstica e familiar contra a mulher. O formulário é fruto de estudo desenvolvido por peritos brasileiros e europeus no âmbito do programa Diálogos Setoriais: União Europeia-Brasil, por iniciativa do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

Plano de trabalho
Na mesma reunião, foi aprovado o plano de trabalho da comissão para 2019, que prevê a realização de oitivas, diligências nos estados e audiências públicas. Na ocasião, a relatora do colegiado, deputada Luizianne Lins (PT-CE) também apresentou o relatório de atividades da comissão no biênio 2017-2018, que destacou a realização de diversos debates e seminários no período. O relatório destaca as agressões praticadas contra as mulheres, decorrentes sobretudo de episódios envolvendo violência obstétrica, guarda compartilhada e alienação parental.

— É necessário combater a cultura de desrespeito às mulheres, que torna a casa um local perigoso e as ruas, locais interditados pelo medo — afirmou Luizianne Lins.

A deputada destacou ainda que o Brasil se mantém como o quinto país em que mais se matam mulheres em razão de sua identidade de gênero. A relatora ressaltou ainda que, nos últimos nove anos, quase dez mil mulheres foram vítimas de feminicídio no país, de acordo com dados do Atlas da Violência, citados pela deputada.

Presente à reunião, o deputado Léo Moraes (Podemos-RO) destacou que Rondônia é o estado brasileiro que registra o maior índice de estupros. Ele defendeu a aprovação de projeto de lei que torna o estupro um crime imprescritível, como forma de garantir a punição aos responsáveis por esse tipo de violência.

Sociedade e governo
A senadora Leila Barros reiterou que os números da violência praticada contra as mulheres são alarmantes. Em sua avaliação, o debate sobre o tema deve envolver a sociedade civil e governo, como forma de avaliar o que pode ser feito pela comissão para reduzir todos os tipos de agressão praticada contra a mulher.

Elcione Barbalho, por sua vez, apontou a dificuldade de mobilização entre os próprios parlamentares para discussão do tema.

Presidente da comissão mista, a senadora Zenaide Maia (Pros-RN) destacou que, além do feminicídio e da violência em casa, a mulher também está submetida ao mesmo risco de violência na rua.

— A gente tem que lutar por recurso por segurança pública também. A violência aumentou. A gente tem que ver se a Lei Maria da Penha (Lei 11.340, de 2006) está sendo aplicada corretamente — afirmou.

Procuradora da Mulher no Senado, a senadora Rose de Freitas (Podemos-ES) disse que pretende apresentar um plano de trabalho que unifique as ações do Outubro Rosa (período de conscientização para o controle do câncer de mama) e outras atividades em prol da defesa das mulheres.

Categorias: Ámérica do Sul, Gênero e feminismos
Tags: , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.