Greve geral: veja repercussão internacional

15.06.2019 - São Paulo, Brasil - Opera Mundi

Greve geral: veja repercussão internacional
Greve geral, São Paulo (Crédito da Imagem: Mídia NINJA)

Centrais sindicais ‘nunca estiveram tão unidas’, diz jornal português sobre greve geral; veja repercussão internacional

Jornais dos EUA destacam que ‘participação deve ser particularmente forte no Nordeste, bastião histórico do Partido dos Trabalhadores, principal partido da oposição’.

A greve geral que mobilizou milhões de trabalhadores em diversos estados do Brasil nesta sexta-feira (14/06) contra a reforma da Previdência e os retrocessos impostos pelo governo de Jair Bolsonaro ganhou destaque em vários veículos internacionais ao redor do mundo.

Nos Estados Unidos, o Washington Post e o New York Timesrepublicaram a mesma nota da agência Associated Press, que explica: “por que se realiza uma greve geral no Brasil?”.

Segundo a reportagem, “a greve nacional promete mobilizar os 26 estados brasileiros e o Distrito Federal, e é a primeira desde a chegada ao poder do presidente de extrema-direita Jair Bolsonaro. Embora a maioria dos manifestantes esteja protestando contra uma reforma previdenciária que tramita no Congresso, outros estão nas ruas contra os cortes orçamentários na Educação Pública, contra uma economia lenta e a agenda conservadora do governo”.

Os periódicos ainda destacam que “a participação deve ser particularmente forte no Nordeste, o bastião histórico do Partido dos Trabalhadores, principal partido da oposição”.

Na Europa, o jornal português Público relata que “os sindicatos vêm esquentando os motores da greve desde 1º de maio, dia em que ela foi anunciada”. A matéria também comenta que a greve é “organizada por organizações politicamente distantes, mas que nunca estiveram tão unidas: a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e a Força Sindical. E ambas fazem previsões otimistas”.

Na França, a rádio internacional RFI informa que “muitos transtornos são esperados nos transportes nesta primeira greve geral contra o governo de Jair Bolsonaro”. Ao se referir às razões da greve, especialmente à reforma da Previdência, a rádio diz que “os sindicatos temem que os mais pobres paguem o preço pela reforma”, e fez comentários curiosos sobre a postura de Bolsonaro sobre o tema: “eleito notavelmente graças aos votos dos aposentados, o presidente está envergonhado. Ele negou parcialmente seu ministro da economia, o principal arquiteto dessa reforma”.

Greve geral, Curitiba. Foto: Gibran Mendes/MidiaNinja

Já o portal russo RT destaca uma declaração do presidente da CUT, Vagner Freitas, em que ele avalia que “a greve geral é de todos. Nesta sexta não é para ir ao trabalho, é dia de ficar em casa, de cruzar os braços e dizer que nós não aceitamos ataques aos nossos direitos, à soberania nacional e à democracia”.

Em matéria fotográfica, a emissora multiestatal TeleSur mostrou a adesão de diversas categorias e movimentos sociais à greve geral em diversos estados do Brasil. “O presidente Jair Bolsonaro insiste em aplicar planos de cortes orçamentários contra setores sociais vitais na nação sul-americana como educação e saúde”, destaca.

O jornal argentino Página12 destacou a união entre os movimentos estudantis e as centrais sindicais e diz que as paralisações desta sexta-feira são herdeiras “da marcha multitudinária em defessa da Educação Pública e contra os cortes no orçamento que foram encabeçadas por estudantes no dia 15 de maio”.

“A greve de hoje conta com um respaldo unitário, e pouco frequente, de todas as organizações sindicais, lideradas pela CUT, ligada ao PT”, informa o periódico.

A britânica BBC traz a visão da oposição em relação à reforma da Previdência e diz que os opositores “dizem que os pobres serão os mais afetados”.

Categorias: Ámérica do Sul, Direitos Humanos, Política
Tags: , , , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.

maltepe escort