Nomeada primeira mulher reitora de uma universidade pública em Moçambique

22.04.2019 - Global Voices Online

Nomeada primeira mulher reitora de uma universidade pública em Moçambique
(Crédito da Imagem: Reitora recém-nomeada. Foto de Emília Nhalevilo, usada com permissão da autora (01.04.2019))

A professora doutora Emília Nhalevilo foi nomeada e empossada pelo presidente moçambicano Filipe Nyusi para o cargo de reitor da recentemente criada Universidade do Púnguè, em decisão do Conselho de Ministros datada do dia 29 de Janeiro de 2019.

Nhalevilo torna-se assim a primeira mulher a chefiar uma universidade pública no país. Ela permanecerá no cargo, em princípio, por um período de quatro anos.

Natural de Nampula, a província mais populosa do p;aís, Nhalevilo tem doutoramento e mestrado em educação pela Universidade de Perth, Austrália, e é licenciada em educação de ciências pela agora extinta Universidade Pedagógica (UP).

De 2005 a 2007, lecionou na Universidade de Tecnologia de Curtin, na Austrália. Em 2008, Nhalevilo inscreveu-se na Universidade Pedagógica como chefe do departamento de química e avançou para o cargo de directora-adjunta do Centro de Estudos Moçambicanos e Etnociência, um centro de pesquisa na UP.

Em 2017, ela foi bolseira da FullBright Visiting Scholar Program, tendo realizado o seu projecto na Escola Steinhardt de Cultura, Educação, e Desenvolvimento Humano na New York University, nos Estados Unidos.

Até a altura da sua nomeação, Nhalevilo era Pró-Reitora para Pesquisa-Extensão na UP, cargo que vinha ocupando desde 2018. Ela agora irá dirigir um posto que equivale ao cargo de Ministro.

Já Eliana Nzualo, feminista e activista por intermédio de um blogue de histórias em torno das mulheres, revela que a nomeação é uma data na história para o país:

UM DIA NA HISTÓRIA

Professora Doutora Emília Nhalevilo é a primeira mulher na liderança de uma Universidade Pública em Moçambique. Parabéns à Magnífica Reitora!

Por mais mulheres nas Universidades,
Por mais mulheres na liderança!

Em Moçambique, mulheres ainda enfrentam dificuldades no acesso a cargos de chefia e direcção, embora tenham havido melhoras — no Parlamento atual, são mulheres tanto a Presidente quanto as chefes das duas maiores bancadas políticas.

Mas a desigualdade de gênero ainda prevalece no país.

No Relatório de Desenvolvimento Humano de África, lançado pelo PNUD, em Maputo com o tema “Acelerando a Igualdade de Género e o Empoderamento da Mulher em África”, foi revelado que as mulheres e as raparigas moçambicanas continuam a sofrer de desigualdades, tais como: o acesso deficitário à justiça, o fraco acesso à escola e aos cuidados de saúde e os actos constantes de violência.

Em 2018, foram registados 25.356 casos de violência doméstica em Moçambique, dos quais 12.500 contra mulheres e 9.000 contra crianças.

Moçambique também é o décimo país do mundo em que mais se realizam casamentos prematuros, de acordo com dados de 2015 da UNICEF. A organização define como “casamento prematuro” uniões maritais que envolvam uma pessoa menor de 18 anos.

Em meados de 2018 foi apresentada Admira António como sendo a primeira mulher piloto em Moçambique, enquanto em Dezembro de 2018, um vôo tripulado somente por mulheres foi realizado pela primeira vez no país.

Em 2014, quando a Polícia da República de Moçambique completava 39 anos, era apresentada Arsenia Massingue como a primeira mulher general na corporação.

Nota: Este artigo foi modificado em 15 de Abril. O relatório do PNUD citado se chama Relatório de Desenvolvimento Humano de África (Africa Human Development Report), e não Relatório de Desevolvimento Humano como dito anteriormente. O link para o relatório também foi actualizado.

Categorias: Africa, Educação, Gênero e feminismos
Tags: , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.