Moradores de Brumadinho expostos à lama começam a apresentar sintomas de contaminação

05.02.2019 - São Paulo, Brasil - Redação São Paulo

Moradores de Brumadinho expostos à lama começam a apresentar sintomas de contaminação
Vigília em Solidariedade aos atingidos pelo Crime da Vale em Brumadinho/MG. 01/02/2019, Rio de Janeiro (Crédito da Imagem: Mídia NINJA)

Por Lu Sudré e Rute Pina / Saúde Popular

As pessoas que tiveram contato com a lama que invadiu a cidade de Brumadinho (MG) após o rompimento da barragem da mineradora Vale, na tarde de 25 de janeiro, começaram a apresentar sintomas de intoxicação. A tragédia, que já deixou ao menos 110 mortos e 238 desaparecidos, espalhou cerca de 12 milhões de metros cúbicos de lama com rejeitos pela cidade.

O marido de Valéria Brumas, agricultora no Assentamento Pastorinhas, teve contato com a lama no dia que a barragem rompeu, ao auxiliar como voluntário no resgate de vítimas e pessoas desaparecidas. Na segunda-feira (28), ele amanheceu com erupções pelo corpo e procurou a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do município.

O hemograma indicou que os níveis de plaquetas e leucócitos em seu sangue estavam baixos. Dois dias depois, na quarta-feira (30), ele retornou ao atendimento e estes níveis estavam ainda mais baixos, conta Valéria.

Toxicidade

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) informou que, até o momento, recebeu a notificação de quatro casos de doença diarreica na região. Os casos, segundo a secretaria, não evoluíram para formas mais graves da doença.

A SES-MG encomendou um outro estudo, para avaliar a toxicidade e analisar as possíveis consequências para a saúde da população provocadas pelo contato com os rejeitos. Uma análise laboratorial do material também estaria sendo realizada pela mineradora Vale.

A Secretaria orienta que a população da cidade evite o contato com a lama de rejeitos e com as partes atingidas do rio Paraopeba. A orientação é válida desde a confluência do Paraopeba com o Córrego Ferro-Carvão até Pará de Minas, aponta a pasta.

Os bombeiros que trabalham na região receberam uma dose de antibiótico, como medida preventiva à leptospirose. A medida é padrão neste tipos de resgate.

Sintomas da contaminação

Outra orientação é que qualquer pessoa que tenha tido contato com a água do Rio Paraopeba – após a chegada da lama de rejeitos – ou ingerido alimentos que também tiveram esse contato, e apresentar náuseas, vômitos, coceira, diarreia, tontura, ou outros sintomas, deve procurar a unidade de saúde mais próxima.

No dia do rompimento da barragem, a Unidade Básica de Saúde (UBS) Casa Branca, cidade vizinha a Brumadinho, recebeu cerca de 80 pessoas com pressão alta por conta de ansiedade, nervosismo e outros sintomas.

A enfermeira Daniela Diniz conta que alguns voluntários também já demonstraram sinais de contaminação. “A gente recebeu muita gente aqui. Haviam pessoas que moravam aqui, foram ajudar e dar assistência no Córrego do Feijão, pessoas que estavam na área de risco. Quem teve contato com a lama teve diarreia, náuseas e vômitos. Para essas pessoas, fizemos o atendimento aqui, e casos mais graves, como dores abdominais agudas, encaminhamos para a UPA de Brumadinho, que tem um suporte maior, pode fazer exames”, informa.

Ela acredita que os problemas de saúde tendem a aumentar, além dos casos de intoxicação, com a necessidade de apoio psicológico também. “A gente vai precisar de muita ajuda para passar por isso.”

Sua tia, Lenilda Martins Cardoso, de 39 anos, nutricionista e coordenadora do restaurante da Vale, está desaparecida. “A gente fica muito revoltado porque é algo que poderia ser evitado. A gente perdeu muita gente. Eu moro aqui há 30 anos. Eu conheço muita gente e todo mundo conhece todo mundo. Então, de alguma forma, direta ou indireta, todas as famílias de Brumadinho foram afetadas.”

Riscos futuros

Além de sintomas imediatos, a lama tóxica pode trazer problemas futuros à saúde para quem teve contato com o barro e para as comunidades no entorno.

Rejeitos de mineração contêm óxido de ferro, amônia, sílica, silte e argila. Já barragens antigas podem ter elementos tóxicos, como arsênio.

A água é outro elemento de temor entre os moradores e os trabalhadores da saúde. “Uma das coisas que nos preocupa e que a população está muito ansiosa é em relação ao consumo de água. Ao mesmo tempo que orientamos inicialmente que se ingerisse água mineral, e até chegou água mineral lá, a gente teve informação da Copasa [no dia 28/01] que esteve lá, mas não levou nada por escrito, oficial, que naquela região eles [moradores] poderiam consumir, e a água lá é, principalmente, de poço artesiano, e eles disseram que estava sem contaminação”, relata Daiana Elias Rodrigues, médica de Família e Comunidade que integra a Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares (RNMMP).

Sem um documento oficial, a enfermeira da UBS se recusou a repassar a orientação da Companhia Mineira de Água e Esgoto (Copasa/MG) à comunidade, lembra a médica. “Inclusive ligaram para a enfermeira da unidade [básica de saúde] dizendo que a gente poderia informar a população. Mas a enfermeira disse: não vou repassar isso [orientação da Copasa/MG] na assembleia, se vocês não enviarem um comunicado por escrito”.

Daiana, que também foi voluntária em Mariana, em novembro de 2015, classifica as consequências à saúde dos atingidos em problemas de curto, médio e longo prazo. “A curto [prazo] preocupa muito o contato com a lama, isso pode gerar dermatites. Outra preocupação é em relação à questão respiratória, porque tem poeira, um ambiente carregado [poluição]. Mas esse a gente vai ficar atento. O principal problema é psíquico mesmo.”

Após a tragédia de Mariana (MG), diversos institutos e movimentos passaram a acompanhar a saúde da população da Bacia do rio Doce.

Dois anos depois do rompimento da barragem, exames de sangue e urina realizados por 11 pessoas do município de Barra Longa indicaram alto nível de níquel — substância que é capaz de causar doenças de pele, queda de cabelo e outras ainda desconhecidas. Três delas apresentaram também arsênio no corpo além do limite aceitável.

Categorias: Ámérica do Sul, Ecologia e Meio Ambiente, Saúde
Tags: , , , , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.