Entidades lançam carta-compromisso para candidatos sobre direitos dos migrantes

03.10.2018 - São Paulo, Brasil - MigraMundo

Entidades lançam carta-compromisso para candidatos sobre direitos dos migrantes
Nenhum direito a menos, nenhum ser humano é ilegal. Essa mensagem está presente em todo e qualquer evento que dê visibilidade para o migrante, direta ou indiretamente. (Crédito da Imagem: Tatiana Waldman)

Por Rodrigo Veronezi

Em 12 pontos, instituições ligadas direta ou indiretamente à temática migratória cobram dos futuros governantes e legisladores uma postura de defesa dos direitos dessas populações.

Dezenas de entidades ligadas à temática migratória divulga a partir desta segunda-feira (1) uma carta na qual na qual pedem que os candidatos às eleições deste ano se comprometam com o direito de acolhimento “seguro e sustentável” para migrantes, refugiados e apátridas.

O documento elenca 12 pontos que incluem o comprometimento dos futuros governantes e legisladores com a defesa das leis de Migração e de Refúgio no Brasil, com os direitos assegurados pela Constituição de 1988, além de compromisso com a formulação de uma política nacional migratória, entre outros pontos.

“A iniciativa de propor aos candidatos a carta-compromisso é de pautar o tema na lógica dos direitos humanos, num contexto de disputa eleitoral no qual em várias ocasiões não tem referências explícitas a este fenômeno social. Ou pior ainda, nos deparamos diante de instrumentalizações populistas”, aponta o padre Paolo Parise, um dos diretores da Missão Paz – entidade referência no atendimento e orientação a migrantes e uma das signatárias do documento.

Além da Missão Paz, a carta é assinada inicialmente por mais 13 entidades, envolvidas de forma direta ou indireta com a temática migratória no Brasil, de acolhimento e orientação a migrantes ao combate a situações de trabalho escrevo e tráfico humano – das quais os migrantes em situação vulnerável são vítimas em potencial.

A organizações propõem àqueles que assumam esse compromisso que encaminhem cópia digitalizada da carta – podendo ser, ou não, acompanhada de imagens – para o e-mail contato@missaonspaz.org . O documento também está aberto a apoios de outras entidades.

Nenhum direito a menos, nenhum ser humano é ilegal. Essa mensagem está presente em todo e qualquer evento que dê visibilidade para o migrante, direta ou indiretamente.
Crédito: Tatiana Waldman
As reivindicações visam evitar ainda que se repitam episódios como os dos ataques contra venezuelanos em Roraima, em agosto passado. Também visa estabelecer um contraponto a discursos xenofóbicos e preconceituosos contra minorias que vivem no Brasil – entre elas, migrantes em diferentes situações.

“Ao assinar a carta, teremos a possibilidade de acompanhar e cobrar a atuação da pessoa eleita que assumiu publicamente este compromisso”, completa Parise.

*Este texto será atualizado conforme a chegada de novas adesões de entidades e candidatos

Eis abaixo a carta-compromisso:

Caros Cidadãos;

Eu, ……………………………………………, integrando o processo legislativo e concorrendo ao cargo de …………………………………………… assumo, no exercício de mandato público, este compromisso, que resulta da mobilização social das organizações proponentes, considerando que tais diretrizes têm como fundamento o cumprimento de normas e princípios constitucionais e internacionais de direitos humanos e considerando ser a mobilidade humana um fato social, econômico, político e cultural intrínseco a todos os povos no mundo:

  1. Orientar minhas decisões para aprovar leis e implementar ações necessárias à garantia de direitos ao acolhimento e integração de migrantes, refugiados e apátridas;
  2. Apoiar e executar, dentro de minha competência e mandato público, o disposto nos artigos 1° a 5° e de todos os direitos sociais, políticos e culturais da Constituição Federal de 1988, na Lei Federal n° 9.474 de 22 de julho de 1997 (Lei sobre Direito ao Refúgio), no Decreto Presidencial 678 de 06 de novembro de 1992 (Convenção Americana de Direitos Humanos, em especial, o disposto no artigo 22 – direito de circulação e residência), bem como a Lei 13.445/2017 – Lei de Migração;
  3. Apoiar a criação de estruturas administrativas nacionais e descentralizadas, destinadas a desenvolver ferramentas de informatização e modernização de processos de acolhimento, tendo como base a não militarização das iniciativas do poder público, voltadas à gestão pública da política migratória, refúgio e apátridia;
  4. Apoiar a criação de uma política pública bianual de avaliação e implementação de regularização migratória (anistia), evitando que os migrantes se vejam forçados a viver irregularmente no País por falta de possibilidades de se documentarem e
    de viverem e trabalharem regularmente no território nacional;
  5. Apoiar a ratificação e o cumprimento de tratados e convenções internacionais, bem como a criação de pactos regionais relativos à garantia de direitos para migrantes, refugiados e apátridas;
  6. Articular diálogo com instituições do poder público, nas três esferas de poder, para garantir a atenção e implementação do disposto em tratados e convenções internacionais ratificadas pelo Brasil;
  7. Apoiar iniciativas visando a autonomia e a inclusão econômica, laboral e social de migrantes, refugiados e apátridas por meio da geração de renda, emprego e empreendedorismo, bem como o desenvolvimento de políticas públicas de incentivo a organizações e empresas sociais de migrantes e refugiados ou iniciativas privadas neste sentido;
  8. Apoiar e fortalecer ações para erradicar o trabalho escravo e infantil e enfrentar o tráfico de pessoas migrantes ou refugiadas, comprometendo-me a criar e fortalecer políticas públicas nacionais e locais com capacidade técnica, orçamento e interação institucional voltada a enfrentar estas questões que violam gravemente os direitos e a dignidade das pessoas;
  9. Destinar recursos e garantir apoio político para a manutenção, ampliação e inovação de ações e políticas públicas, bem como projetos de leis, regulamentações e compromissos normativos, voltados à proteção dos direitos de migrantes, refugiados e apátridas no âmbito municipal, estadual e federal;
  10. Apoiar a criação, monitorando e avaliando a execução, de políticas públicas de atendimento, acolhimento e cidadania em áreas de fronteira terrestres e aeroportuárias, garantindo aos migrantes, refugiados e apátridas condições de acesso ao País e a processos de regularização documental;
  11. Apoiar, destinar recursos e monitorar políticas públicas que garantam o acesso à informação e ao desempenho e atividades de Comitês e Conselhos Nacionais, tais como Comitê Nacional para Refugiados (CONARE/Ministério da Justiça), Conselho Nacional de Imigração (CNIg/Ministério do Trabalho), Comitê Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas (CONATRAP);
  12. Rechaçar veementemente, coibir e abster-se de tomar medidas como deportações em massa, fechamento de fronteiras, práticas xenófobas ou qualquer outro tipo de discriminação ou atitudes restritivas que impeçam ou dificultem o acolhimento digno e humanizado a pessoas migrantes, refugiados e apátridas.

Entidades signatárias da carta (em ordem alfabética):
27 Million Brasil
Aliança Empreendedora
Asbrad
CAMI
Cáritas Brasileira
Compassi
Conectas Direitos Humanos
Fashion Revolution
IMDH (Instituto Migração e Direitos Humanos)
Missão Paz
OAB – São Paulo (Comissão para Erradicação do Trabalho Análogo ao de Escravo)
Serviço Jesuíta para Migrantes e Refugiados – SJMR
Serviço Pastoral dos Migrantes
Signis Brasil – Associação Católica de Comunicação

Categorias: Direitos Humanos, Opinião, Política
Tags: , , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.