As armas nucleares são aterrorizantes, mas o que posso eu fazer?

24.08.2018 - Amsterdã, Holanda - PAX

This post is also available in: Inglês, Espanhol, Francês, Italiano, Alemão, Catalão, Grego

As armas nucleares são aterrorizantes, mas o que posso eu fazer?

As armas nucleares são, na verdade, a pior arma alguma vez criada. Estão desenhadas para dizimar cidades. A Cruz Vermelha e a ONU disseram que, se usadas numa área populosa, não há ajuda possível [1], não há nada que possa ser feito para mitigar o dano. A única coisa que podemos fazer para nos mantermos seguros é garantir que nunca sejam usadas. E a única maneira de garantir que nunca sejam usadas, é livrar-nos delas. Todas elas.

Neste momento, todos os países que possuem armas nucleares estão em processo de modernizá-las [2]. Para fazer estas atualizações, muitos países usam empresas privadas. Empresas como a Lockheed Martin, a Northrop Grumman ou a BAE Systems fabricam componentes-chave para as armas nucleares. Faz parte do complexo industrial militar que Dwight D. Eisenhower alertou ao mundo nos anos 50.

As empresas querem ganhar dinheiro. Também os bancos e os fundos de pensão. A diferença é que os bancos usam o dinheiro dos seus clientes para fazer investimentos, para obter benefícios. Esse é o teu dinheiro. É aí que onde tens poder.

Os bancos não querem perder clientes, por isso não querem dar uma má imagem . Quando fazemos barulho sobre os seus investimentos no Armagedom, os seus investigmentos no dia do julgamento final, os bancos começam a parecer muito maus.

Em alguns países, as armas nucleares são completamente ilegais, mas não em todos. Alguns bancos, como o BNP Paribas, usarão isto como desculpa, dirão que os seus investimentos como produtores de armas nucleares está correcto. Mas não está. Há uma linha moral e ética sobre o que é aceitável e o que não é. As armas nucleares são inaceitáveis e é hora dos bancos se juntarem a nós. Como pode o BNP Paribas dizer que é hora de se livrar do tabaco [3] e do fracking [4], mas não das armas nucleares?

No dia 26 de setembro, a ICAN, em colaboração com parceiros de todo o mundo, pedirá um dia de ação global voltado para o BNP Paribas. Queremos que vás às ruas, aos mídias, que actues, para tirar o BNP Paribas do ramo de armas nucleares.

Há muitas maneiras de participar, veja bnp-divest.org para mais informações.

E a 26 de setembro, usaremos nosso poder para pôr fim às piores armas já criadas.

————————————————————————————————————————————————————-

[1] Intervenção da Cruz Vermelha na Conferência sobre as Consequências Humanitárias das Armas Nucleares, Oslo.  https://www.regjeringen.no/globalassets/upload/ud/vedlegg/hum/hum_malich.pdf

[2] Declaração da Liga Internacional de Mulheres pela Paz e Liberdade no PrepCom do NPT 2017, Viena, Áustria http://www.reachingcriticalwill.org/images/documents/Disarmament-fora/npt/prepcom17/statements/3May_WILPF.pdf

[3] http://www.investmenteurope.net/regions/france/bnp-paribas-sets-roadmap-tobacco-divestment/

[4] https://www.bloomberg.com/news/articles/2017-10-11/bnp-paribas-to-halt-shale-oil-financing-in-climate-change-pledge

Categorias: Internacional, Nota de imprensa, Paz e Desarmamento
Tags: , , , , , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.