África, uma História para Redescobrir. 2 – Os faraós negros e as Rainhas de Meroe

05.07.2018 - Redação São Paulo

África, uma História para Redescobrir. 2 – Os faraós negros e as Rainhas de Meroe

Próximo do ano de 3000 A.C., Narmer, quase unanimemente identificado como Menes, partiu do Sul do Sudão, uniu o Alto e o Baixo Egito e se converteu em um faraó, com este gesto vinculou o destino de dois povos. Há 10,000 anos o Sahara era rico em animais e em vegetação – uma equipe de arqueólogos encontrou representações de vacas e gazelas no deserto sudanês. Depois do Nilo um povo de agricultores se assentou ali, criando as primeiras formas de civilização egipcio-núbia.

O historiador e antropólogo senagales Cheik Anta Diop afirmou nas décadas de 50 e 60 que os primeiros egípcios eram negros, porém o pensamento colonialista de sua época negou que as populações africanas tiveram um passado historicamente relevante. Apenas se estudava o Egito e o Reino de Rush, também chamado Núbia, Não interessou a ninguém quando o arqueólogo americano George Resiner viu o sítio de El-Kuru, com imponentes estatuas de faraós negros e seus tesouros, ele escondeu a sua descoberta.

No princípio um amigo e aliado do Egito, o reino de Kush se converteu em seu inimigo devido ao ouro, que possuía em abundância e serviu para criar as joias que consideravam necessárias para a viagem para o além. Em certo momento os Kushti se converteram em escravos dos egípcios, porém também fizeram incursões em seu território, em uma alternância entre a paz e o conflito. A aparição de faraós de pele mais clara fez da população negra uma minoria.

O maior governantes kushite foi Piankhi, que sucedeu seu irmão Shabaka e outros soberanos da XXV dinastia, entre eles Taarka, descrito como um rei indulgente e também como um grande construtor. Os kushítas adoravam ao deus Amón e tinham uma montanha safrada em forma de cobra. Sua capital Kerma era formosa e se estendia ao redor do templo de Defufa. As pirâmides eram mais numerosas e menores que as egípcias. Em 700 A.C., devido a uma severa fome, a capital foi mudada de Kerma para Meroe.

O alfabeto meroitico era diferente dos hieróglifos e a língua ainda não fora decifrada por completo. Os reinos dos faraós seguiram ao das rainhas, guerreiras que conduziram as tropas para a batalha, grandes construtoras de pirâmides, hábeis diplomatas e soberanas que escolhiam seus esposos. A rainha mais famosa, Amanishakheto, assinou um tratado de paz com os romanos depois de parar inúmeras invasões. Seu fabuloso tesouro foi descoberto em 1834 pelo italiano Giuseppe Ferlini. A pirâmide que guardava estes tesouros foi destruída e seus objetos vendidos para diversos museus. Como os de Munich e El Cairo.

Categorias: Africa

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.