O céu não cai para os não-últimos yanomami

25.06.2018 - Italia - Loretta Emiri

This post is also available in: Inglês, Espanhol, Italiano

O céu não cai para os não-últimos yanomami

Recensão do livro “A queda do céu”, do xamã yanomami Davi Kopenawa e do etnólogo francês Bruce Albert

Em setembro de 1984 foi publicado em Turim o livro “Os últimos yanomami”. Na capa aparece também o subtítulo “Um mergulho na pré-história”. Na época já tinha morado por quatro anos na área do Catrimâni, atuando com e a favor dos índios yanomami, vivendo com eles os anos mais felizes da minha vida. Sendo que meus esforços profissionais derivavam da exigência de contribuir à sobrevivência física e cultural dos yanomami, a palavra “últimos” me indignou bastante. Em julho de 2017 o jornal “Corriere della Sera” publicou uma reportagem, um dos subtítulos da qual é “A reza dos últimos yanomami”. De 1984 a 2017 se passaram trinta e três anos, porém na Itália, referindo-se a esta etnia, são  utilizadas as mesmas banais, estereotipadas  palavras. Em janeiro de 2018 a emissora Rai-Tre transmitiu a intervista que me foi feita por Sveva Sagramola. Uma amiga jornalista, jovem rebelde em Maio de ‘68,  escreveu para mim: “Claro, as informações que os yanomami duplicaram, que se defendem sozinhos (que bom!) tirou um pouco de carga emotiva… o que nós podemos fazer para eles? Ou eles para nós?”.

O que os yanomami podem fazer para nós? Podem nos ajudar a sarar do etnocentrismo, que é mesmo uma tremenda, contagiosa doença. É recente a saída na Itália do livro “A queda do céu”. Publicada em francês e inglês em 2010, em português em 2015 e agora em italiano, a obra é destinada a alcançar o mundo inteiro, como o coautor Davi Kopenawa, xamã yanomami, deseja. Em dezembro de 1989 o etnólogo francês Bruce Albert começou a gravar as palavras do David, e o tem feito por mais de dez anos; depois, graças ao extraordinário domínio que tem da mesma língua falada por Davi, as traduziu para o francês. O livro é o resultado da cumplicidade entre os dois homens e de sua preocupação para com o destino do povo yanomami, sempre sistematicamente ameaçado pelas frentes de expansão da sociedade ocidental. É uma autobiografia que, ao mesmo tempo, o etnólogo converte em biografia. É uma enciclopédia yanomami, devido à quantidade de informações relativas a habitat, língua, mitologia, botânica, zoologia, cultura material.

A leitura da obra nos permite penetrar na cosmogonia yanomami; de saber sobre quais valores este povo construiu sua estrutura social; nos faz meditar sobre modos diferentes de ver, sentir, agir; coloca a confronto a sociedade dita “civilizada” com aquela dita “primitiva”. Para os ocidentais “ecologia” é uma palavra à moda, para os yanomami é um estilo de vida. Acúmulo, consumismo, agressão à natureza, exploração selvagem dos recursos naturais transformaram a terra numa lixeira. Não conseguimos mais eliminar resíduos. Os que são tóxicos envenenam a ária, a água, o subsolo, tudo aquilo que comemos, e nós morremos de cancro. Os peixes morrem sufocados pelo plástico; no mar afogam os seres humanos que o nosso egoísmo  rejeita.  Concebidas por mentes doentias, faraônicas centrais hidroelétricas e nucleares se transformaram em catástrofes ambientais, chegando a devastar até territórios que ficam muito longe dos lugares onde foram construídas. Tudo acontece em nome do dito desenvolvimento, que, aumentando, não faz nada mais que esvaziar o ânimo dos homens, tornando-os individualistas e desconsoladamente sozinhos.

As palavras de Davi e Bruce nos colocam na frente de tudo isso. Davi é tão generoso que se preocupa até pelos homens brancos: sugerindo de fazer com que o céu não caia, está nos dizendo que junto aos yanomami nós também nos salvaríamos. Aliás, a generosidade é o valor maior para os yanomami. Eles acreditam que somente quem foi generoso em vida alcançará a “terra-de-cima”, quer dizer a dimensão que nós chamamos “céu”. No final dos anos setenta, eu e os outros membros da equipe de trabalho da área do Catrimâni, levávamos para frente um projeto denominado “Plano de Conscientização”, que devia servir para coadjuvar os yanomami a entenderem o que estava ameaçando, na época, seu território (abertura de rodovias, madeireiras, colonização). No começo não foi nada fácil, pois  os indígenas objetavam que a floresta é  grande e tem vaga para todo mundo. Quando epidemias e mortes reduziram treze malocas em oito pequenos grupos de sobreviventes, na pele entenderam o que o homem branco trazia consigo.

Entre as reivindicações dos últimos anos dos índios brasileiros, e os yanomami não fazem exceção, tem aquela de não falar deles no tempo passado remoto, de parar de colocá-los na pré-história. Estão aqui. Existem. Resistem à invasão de suas terras há mais de quinhentos anos. São nossos contemporâneos. Suas culturas e sociedades não são inferiores, são apenas diferentes. Têm muito para nos ensinar, se só tivéssemos a humildade de escutá-los por quilo que são: seres humanos com conhecimentos, experiências, direitos, sentimentos, sonhos; como nós mesmo somos. Apesar das contínuas, extenuantes agressões a seu território e a seu estilo de vida, nestes últimos anos os yanomami têm consideravelmente aumentado, têm se organizado em associações, têm professores, enfermeiros, lideres que percorrem o mundo para manter alta a atenção sobre sua situação, denunciando violações, reivindicando direitos.

Não, não mesmo: a ser os últimos não são nem serão os yanomami.  Se o céu for cair, a ter chances de sobrevivência serão justamente eles e os outros povos indígenas, pois sabem como interagir com a terra, como gozar com ela sem violentá-la, como engravidá-la e perpetuar a descendência. Em ocasião de uma estadia na maloca do Davi, Bruce bateu uma foto que me retrata com a filha do Davi no colo: para mim é mais preciosa de todo o ouro e os minerais preciosos que os depredadores brancos já tiraram abusivamente do território yanomami. Associado à imagem da foto é o augúrio que a pequena sociedade yanomami continue a crescer forte e sana, apesar de tudo e de todo mundo.


Davi Kopenawa e Bruce Albert
La caduta del cielo
Parole di uno sciamano yanomami
Tradução: Alessandro Lucera e Alessandro Palmieri
Nottetempo, 2018

Categorias: Ámérica do Sul, Assuntos indígenas, Cultura e Mídia, Europa, Humanismo e Espiritualidade
Tags: , , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.