Óleo por Sangue – Entenda as motivações dos conflitos na Síria

12.05.2018 - Redação São Paulo

This post is also available in: Espanhol

Óleo por Sangue – Entenda as motivações dos conflitos na Síria

Por Giacomo Vicenzo

Recentemente Trump decicidiu não renovar o acordo Nuclear com o Irã, que impede que o país volte a produzir armas nucleares em troca de não receber sanções econômicas dos EUA.

Irã e Rússia são os principais aliados da Síria ao lado do governo de Bashar al-Assad que recebeu bombardeios na madrugada de 13/04 em represália ao suposto ataque químico, que de acordo com os países que se uniram na
resposta bélica (EUA, França e Reino Unido) foram ordenados por Assad.

A Síria vive em estado de guerra desde 2011, quando diversas forças (incluindo o Estado Islâmico e Jihadistas) se uniram contra o governo de Assad, que é sucessor de seu pai, o qual esteve por 30 anos no poder do País.
Desde o início do conflito cerca de 400 mil pessoas já morreram de ambos os lados. A decisão de Trump traz mais tensão ao cenário global, uma vez que “afrouxa” a possibilidade de produção de armas nucleares por um país realmente muito próximo ao conflito e com desacordos internacionais.

Como toda guerra, há uma série de interesses e outras perspectivas a serem analisadas. Entrevistamos Hugo Albuquerque, advogado, mestre em direito constitucional e editor do livro “A Origem do Estado Islâmico – O fracasso da guerra ao terror e ascensão Jihadista”(5º ed.) do autor e jornalista Patrick Cockburn. Hugo traça um paralelo sobre os porquês do conflito e seus desdobramentos, confira a seguir:

Pressenza: Qual foi o estopim para o início do conflito na Síria?
Hugo Albuquerque: O estopim foi a Primavera Árabe, quando enormes manifestações de multidão derrubaram ditaduras no Norte da África.  Fossem ditaduras pró-americanas como a de Ben Ali na Tunísia ou Mubarak no Egito, ou historicamente anti-americanas como a de Gadafi na Líbia (embora naquele momento ele tivesse feito as pazes). Isso chegou na Síria de Assad, historicamente inimiga dos EUA.

Pressenza: Quem está contra Assad?
Hugo Albuquerque: Grupos bastantes diferentes entre si resolveram derrubar o regime, mas não tinham acordo entre si: socialistas, liberais, fundamentalistas islâmicos; jovens ocidentalizados de cidades como Aleppo, curdos de esquerda e direita e agricultores religiosos que odiavam Assad por motivos distintos e até antagônicos.

Pressenza: Como e por que os EUA se envolveram no conflito?

Hugo Albuquerque: Os EUA, igualmente, passaram a manipular o conflito, seja porque viam Assad como o único aliado russo no Oriente Médio, seja porque desejavam uma alternativa geográfica ao Egito. Se a revolução egípcia tomasse rumos anti-americanos, o Canal de Suez, essencial para transportar petróleo para a Europa, cairia em mãos não-ocidentais, a alternativa seria o transporte por terra, precário e emergencial pelo território sírio. Isso não aconteceria, ou pelo menos não de forma barata, com Assad no poder. Com Assad fora, seria possível cruzar enormes redes de oleodutos e gasodutos da Península Arábica direto para o Mar Mediterrâneo no médio prazo. Junto com isso, a Arábia Saudita passou a estimular grupos que professavam sua ideologia religiosa-política a tomar o poder na Síria, como o Estado Islâmico, por exemplo. A estratégia deu errado porque os grupos anti-Assad não tinham identidade entre si nem os aliados americanos na região (Arábia Saudita e seus Estados vassalos, Turquia e Israel) apresentavam qualquer unidade de ação.

Pressenza: Como explicar a intervenção russa e a especulação do preço do petróleo no mercado global?
Hugo Albuquerque: A Rússia, contudo, interveio e apresentou um  poderio bélico que o Ocidente ignorava além de ter sabido fazer Irã e Iraque cooperarem com Assad. O que era pra ser o fim da guerra, até porque derrubar o preço do petróleo não é interesse republicano. No entanto, não foi porque o establishment americano, ligado aos
democratas, e a direita europeia não querem que a guerra acabe. Porque eles querem o petróleo barato, não só por questões comerciais e dos setores que eles representam no capital, mas também porque isso valoriza o preço do dólar no mercado externo, ajudando a balança comercial europeia e a especulação financeira nos EUA.

Por enquanto a guerra segue longe de acabar, a principal reivindicação das forças rebeldes é que Assad renuncie o poder que está nas mão de sua família há décadas. Resta esperar o mínimo de sensatez das potências envolvidas nestes conflitos a fim de evitar a morte e sofrimento de civis.

Gostou do conteúdo? Clique aqui e Entenda mais sobre o assunto

Categorias: Entrevista, Internacional, Oriente Médio, Paz e Desarmamento, Política, Video
Tags: , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.