Reforma Trabalhista em Vigor – Os Primeiros Impactos do Retrocesso

06.12.2017 - Redação São Paulo

Reforma Trabalhista em Vigor – Os Primeiros Impactos do Retrocesso

A reforma trabalhista está em vigor e com ela toda uma avalanche de retrocessos que atinge em cheio as trabalhadoras e os trabalhadores brasileiros. Um dos efeitos imediatos da mudança legislativa tem sido a demissão de 1200 professores por uma universidade privada, a Estácio. A instituição demitiu neste mês de dezembro de 2017 para contratar em janeiro 1200 professores. Profissionais que irão ingressar na empresa para ganhar menos.

A empresa não confirma o número de profissionais que foram demitidos e os que serão contratados, alega apenas uma reestruturação. A instituição afirmou também que os docentes ganhavam salários acima do mercado, por isso o motivo da demissão. A reforma trabalhista abre precedente para demissões em massa e sem acordo com os sindicatos, o que prejudica os trabalhadores.

Um decreto sancionado por Michel Temer que torna a atividade dos supermercados como essencial, fez com que não haja a necessidade do pagamento de horas extras em feriados por exemplo. Trabalhadores de uma rede de supermercado do Rio de Janeiro, a Mundial, decidiram então cruzar os braços. A rede é uma das maiores do estado fluminense. Para se ter uma ideia do efeito da medida, os prejuízos aos salários chegaram a 50%.

A reforma trabalhista vem em uma onda neoliberal com cortes e reestruturações econômicas. A mesma onda neoliberal que varreu o mundo a partir da década de 90, com a privatização de estatais,  mudanças nas leis trabalhistas pelo mundo todo e do que era entendido como um certo desgaste do modelo keynesiano de estado. O Estado de bem-estar social desenvolvido no pós segunda guerra mundial.

Leia também – “Retrocessos nos direitos trabalhistas são sancionados por Temer”

As experiências neoliberais não trouxeram melhorias no Chile, por exemplo, com as reformas educacionais, previdenciárias, dentre outras que o país foi palco durante a ditadura de Pinochet. O caso da universidade Estácio pode ser a ponta do iceberg que tem por base uma gama de notícias que ainda não vieram a tona. Uma série de demissões e recontratações de funcionários para que os mesmos trabalhem em condições inferiores.

Para tornar público esses acontecimentos a Página Humanistas, do Movimento Humanista, lança a hashtag #meusdireitosgolpeados. Convidamos a todos a contar histórias que tenham conhecimento sobre casos envolvendo a reforma trabalhista.

 

Categorias: Ámérica do Sul, Política
Tags: ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.