Por que os EUA são malucos por petróleo?

06.12.2017 - Redação São Paulo

Por que os EUA são malucos por petróleo?

Imagem da guerra do Iraque.

por Vinícius B.C.

Os Estados Unidos mantém uma série de políticas imperialistas no mundo inteiro. Porém as regiões que produzem o ouro negro, o petróleo, despertam a atenção do país de uma forma diferente. Fazem com que os EUA tenham uma completa “fissura” pelo recurso energético. Guerras são travadas pelo mesmo e bases militares equipadas com modernos equipamentos são instaladas em locais estratégicos. Como no Qatar, no Oriente Médio que tem uma base aérea americana – a maior da região.

As atuais tensões na Península Arábica, envolvendo o herdeiro do trono saudita e a detenção de líderes locais como o presidente do Líbano, após visita de Trump ao país, demonstram o interesse contínuo em controlar as regiões produtoras de petróleo.

Assista o vídeo abaixo para entender mais sobre essa crise

A guerra do Golfo, a invasão ao Iraque e as tentativas de desestabilizar a Venezuela de Nícolas Maduro, são exemplos do grande interesse norte-americano. Mas afinal, por que o país tem essa grande “fissura” por petróleo?

Para começar a entender o porquê desta demanda por petróleo, é necessário saber que os Estados Unidos tem uma economia baseada no combustível. Os carros são o grande símbolo norte americano e são máquinas altamente dependentes de petróleo. Para além dos carros, o petróleo é uma fonte de energia barata e de fácil transporte. Com custos elevados apenas de instalação, a extração e o transporte são baratos se comparados com outros combustíveis.

O combustível é vital para manter o padrão de consumo americano, notoriamente conhecido pelo consumismo exacerbado.

A nação possui uma reserva estratégica de 668 milhões de barris enterrada embaixo de cavernas da Louisiana, o local é ideal para reservas estratégicas por ser resistente a ataques nucleares com mísseis, por exemplo, assim mesmo em uma situação de guerra, a reserva estaria bem guardada. tal construção foi uma resposta à crise ocorrida na década de 70 em que países do Oriente Médio, em resposta ao apoio do Ocidente a Israel durante guerra dos seis dias, diminuíram a quantidade de petróleo escoada, produzida, fazendo com que o preço subisse estrondosamente. Criando uma crise internacional, no mesmo período ocorre o fim do milagre econômico brasileiro.

Para termos uma ideia de como a crise do petróleo da década de 70 impactou o mundo, os call centers foram criados durante esse cenário, uma vez que as vendas por telefone eram mais baratas do vender produtos de porta em porta com seus carros. As pessoas faziam filas para comprar o combustível e nem sempre conseguiam comprá-lo.

De modo geral a ânsia estadunidense por petróleo, que pode ser vista em inúmeras guerras patrocinadas pelos grandes detentores do capital norte-americanos, é causada por uma economia que tem o combustível como peça chave. Os outros grandes países brigam pelo recurso, mas os EUA chegam a promover guerras para controlar o “ouro negro”. O petróleo é um recurso estratégico, e se tornou mais disputado desde a descoberta de sua finitude, na segunda metade do século XX.

O petróleo, por acordos firmados entre o Presidente Nixon e a OPEP, só pode ser vendido ou comprado em dólares. Fazendo com que a moeda tenha como lastro o ouro negro. Por isso petrodolar. A única maneira de comprar ou vender petróleo é com dólar. Alguns países tem ido contra essa hegemonia, a China tem comprado petróleo usando sua moeda o Yuan para comprar o combustível da Rússia e Irã. A moeda virtual Bitcoin também ameaça o domínio do dólar. Um bitcoin chega a valer milhares de dólares. São exemplos da queda do poder do dólar.

Categorias: Política
Tags: ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Apresentação de vídeo: O que é a Pressenza

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.