Eleições da Assembléia Constituinte na Venezuela – Eleitores comparecem em peso pela paz

05.08.2017 - Redação São Paulo

Eleições da Assembléia Constituinte na Venezuela – Eleitores comparecem em peso pela paz

A oposição tentou de tudo para interromper o processo. Queimar pessoas, fechar as ruas, amedrontar os vizinhos, fechar a saída dos bairros, incendiar os comércios, assassinar candidatos, interromper o transporte, dificultar a atividade produtiva em várias cidades, impedir a circulação de alimentos, explodir caminhões ou ameaçar quem queria votar. Difamar, agredir, assustar. Qualquer método se considerou válido para impedir a realização das eleições para a Assembléia Nacional Constituinte convocada pelo governo. Os partidos de direita encorajados na esfera internacional por uma agitação midiática permanente e com a duvidosa legitimação fornecida pela conspiração diplomática de governos de direita e sanções unilaterais dos EUA (Além do apoio financeiro e da direção geral de seus aparatos de inteligência), acreditaram que podiam derrotar o governo e evitar a ampliação dos poderes populares mediante uma Assembléia Constituinte.

Os únicos a não tentar foram os grupos da Mesa de Unidade Democrática unida(Mesa de Unidad Democrática) e de vocação democrática pouco visível a estas alturas, foi o que a maioria do mundo sensato pedia e o governo ofereceu repetidas vezes sentar em uma mesa e concertar a convivência a partir das visões políticas radicalmente diferentes.

As escalas tinham seus motivos – a pressão instalada devia corroer a paciência do povo, provocando um levantamento contra o governo e conseguir além disso atrair alguma facção rebelde das Forças Armas o que permitira um golpe militar ou o começo de uma guerra civil fratricida para abrir as portas para uma intervenção multinacional estrangeira.

Sem dúvidas, a estratégia falhou. Nada disso se realizou e a eleição para uma nova constituinte se ocorrera, tal como estava previsto para o dia 30 de Julho de 2017.

Um testemunho

“Mérida amanheceu sitiada de ponto a ponto, seguido de mais de 5 dias de duras barricadas, de vândalos destemidos e ditadura do medo. As ruas estavam desertas. Saí de casa quase que me escondendo. Se supõe que ninguém deveria sair de casa e todo aquele o fazia estava sob suspeita.Parecia que estávamos em ruas no Afeganistão. Durante a noite as forças de segurança pública tiveram que entrar em confronto com os mais violentos para poder garantir o acesso para algumas vias e a mobilidade urbana. Elas tinham que funcionar. Minha zona eleitoral era um lugar impossível de ser acessado hoje. Assim que fui para outro de contingência. Fui votar em Godoy. Ao chegar, a surpresa foi ver o lugar abarrotado de pessoas. As histórias de caronas eram muitas. Uma senhora de aproximadamente 60 anos me contou que caminhou de El Carrizal até Godoy [93,2KM, 19 horas de caminhada aproximadamente]. Tem de se viver em Mérida para ter a ideia desta distância caminhando em subida. Isto me impressionou.

 Havia muito entusiasmo na zona eleitoral. Muita alegria contra o medo e o terror. As solitárias horas da manhã chuvosa se dispersaram. Saiu o Sol. Os arredores de Godoy se converteu em um amontoado de pessoas a pé, como formigas. Apareceram primeiro as motos, depois os carros. Levando e trazendo gente. Também começaram a aparecer os caminhões, cheio de pessoas como um caminhão de evangélicos em um domingo. A atmosfera se transformou radicalmente.

Idosos, deficiente físicos, jovens, chegaram. Vieram de zonas sitiadas, felizes por ir votar. Levavam a doçura em seus sorrisos. Poucas vezes se encontra tanta ternura, firmeza e coragema. Me sinto afortunado.”

Os desdobramentos da eleição para a Assembléia Constituinte na Venezuela

Em termos regionais, logo o triunfo de Ortega na Nicaragua e da Revolução cidadã com Lenin Moreno no Equador, o forte apoio popular a esta eleição constituinte em tão árdua circunstâncias  demonstra que as forças progressistas e revolucionárias continuam vivas e são uma manifestação da organização do povo e de uma consciência política ampliada em vastos setores.

Pelo contrário, nos últimos meses, os governos neoconservadores estão debilitados. A popularidade de Lula frente ao imenso desprestígio do governo ilegítimo brasileiro. A quase segura vitória eleitoral de Cristna Fernández de Kirchner nas próximas eleições em frente a decadência social e a perda da rápida da gestão de Macri na Argentina, os avanços e no posicionamento da oposição no Paraguai e Honduras, a corrupção que atinge diversos governos peruanos e ameaça o atual, os financiamentos ilegais na Colombia e a violência endêmica e generalizada no México de Pena Nieto, tudo isso joga por terra o slogan propagado de um suposto fim do ciclo progressita, que era propagado para os povos latinocaribenhos para que os mesmos se conformassem sem resistência a um novo período de exploração neoliberal.

A Venezuela emerge soberana e vitoriosa, embora com uma divisão política em seu seio, o que não assegura a tranquilidade de imediato. O governo sai desta briga fortalecido, com a obrigação de conseguir rapidamente conter os setores violentos e realizar uma reviravolta imediata no controle da especulação monetária e nas dificuldades de abastecimento, não importa se estas são produzidas pela guerra econômica ou a causa de matrizes econômicas rentistas de larga escala.

Claro que nem os EUA, nem os outros governos aliados-vassalos, nem as corporações midiáticas aceitaram perder. Embora no melhor dos casos aceitam uma pausa tática ou simulem negociações para diminuir a tensão, insistirão estrategicamente uma e outra vez em sua tentativa de isolar, de condenar, de demonizar de minar o enorme peso que tem a Revolução Bolivariana para a independência e integração soberana da América dos povos.

Enquanto a oposição, haja vontade de ver alguns líderes compreenderem a situação, mudariam o curso e aceitariam de uma boa vez tomar a frente de seu setor e iniciar o diálogo. Pelo contrário, insistem na ideia de agredir a população, terminam concentrando o repúdio de muita gente, optando seguramente por tomar o caminho do êxodo na – pequena Venezuela – em Miami.

O povo llano [pertencente a uma região que fica entre a Colômbia e a Venezuela], por sua parte soma com a Assembléia Constituinte efetivamente a possibilidade de defender suas conquistas sociais e avançar em prol de um maior emponderamento de sua comunidade, um modelo político e econômico participativo e de co-responsabilidade de alto teor democrátivo. As demais questões a serem tratadas na Assemblía Constituinte não são menos promissórias. Mas isto terá que ser comentado mais adiante. Neste momento, a conclusão evidente da eleição ocorrida na Venezuela é que a violência não dá resultado. A paz sim.

por – Javier Tolcachier traduzido do original

Elecciones Asamblea Constituyente en Venezuela: Voto masivo por la paz

Pressenza Brasil

O QuatroV produziu um vídeo extremamente didático que ajuda a compreender a crise venezuelana

Categorias: Ámérica do Sul, Opinião
Tags:

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.