Gerações vencidas

27.07.2017 - USA - Ilka Oliva Corado

This post is also available in: Espanhol, Italiano

Gerações vencidas
A América Latina, com suas várias cores, sua fecundidade, seus Povos Originários e seus mártires, é uma terra de contradições, entre elas as gerações vencidas; acomodadas na sombra do descaramento, o oportunismo e a indolência. Gerações que se negam a uma identidade própria e que pisam em todo o rastro de memória e dignidade.
Gerações ineptas, adormecidas, incapazes de se valer por si mesmas. Incapazes de se atrever a criar, a questionar, a formular uma análise própria, que se acostumaram a copiar e colar; a se esconder atrás das palavras e ações de outras pessoas porque fazê-lo não exige responsabilidade alguma pelos seus próprios atos. São, pois, as marionetes com as quais um sistema de dominação se zomba, o qual cada vez se cimenta mais sobre a raiz inerte dos que esquecem com facilidade, porque vivem flutuando em uma bolha de indolência e individualismo.
Incapazes de evidenciar e transformar politicamente o tempo em que estão vivendo, essas gerações se convertem em degraus sólidos por onde pisam os cartéis criminosos que nos governam.
Para não se comprometer, se prendem a frases que repetem com fervor profundo de puritanos em procissão de Semana Santa e recitam pretextos com a seriedade dos covardes. Gerações que fazem da poesia o pior dos ultrajes. Porque fácil é pretender não entender, carecer de conhecimento, jogar a ignorar; porque fácil é viver da exploração dos outros.
Porque pensar por si mesmo é toda uma revolução, porque expressar o pensamento próprio é uma afronta ao sistema, porque analisar não é o mesmo do que copiar e colar; porque questionar o que é injusto requer sangue nas veias, porque atuar contra o abuso não é coisa de pusilânimes. Porque se põe em jogo a comodidade, os favores, os contatos e os benefícios obtidos do silêncio e do encobrimento. Da deslealdade.
Uma América Latina fragmentada e maculada por gerações de medíocres que se deixaram marcar o caminho, que foram incapazes de explorar, que se deixaram aprisionar em uma mundo de aparências, corrupção, subornos, abuso, assalto e consumismo.
Gerações que negaram a si mesmas a oportunidade de diferir e a responsabilidade de objetar. Que se deixam arrastar por uma corrente de águas negras que as deixam pestilentas a submissão.
Tão vencidas que são incapazes de reconhecer e pelo contrário maculam a memória de tantos que ao longo da história lhes arrancaram a vida como preço por um sonho de uma terra livre e fecunda. Tão vencidas que preferem aparentar não ver, porque observar obriga a questionar, a denunciar e a exigir. Tão vencidas que têm tido a capacidade de fechar os olhos ou se virar para o outro lado: quando o abusador golpeia, assassina e desaparece quem, com coragem e amor, levantou a voz pelos oprimidos.
Gerações que jamais fizeram uma tentativa para recuperar sua identidade, sua dignidade e sua liberdade. Que estão tão vencidas que seguirão recebendo migalhas e acreditando em tudo o que digam os que fabricam o sistema de domínio atual, é a verdade absoluta e a aprenderão como um hábito e um padrão que seguirão passando às gerações seguintes. Fazendo da América Latina a terra perfeita para a mácula e a desmemória. Enquanto são cúmplices e responsáveis pela opressão a seus povos, essas gerações ignoram ou pretendem ignorar que elas também foram mutiladas e que têm perdido muito mais, porque sem dignidade a vida é um bagaço.
São recuperáveis essas gerações? Sim. Mas é acreditar piamente e é necessário coragem dos loucos sonhadores para recuperar a semente e que ela germine.
Na loucura não cabe a ideia de que uma andorinha não faz verão. Na resistência habita o verde esperança.
Tradução do Eduardo Vasco
Categorias: América Central, Ámérica do Sul, Cultura e Mídia, Opinião
Tags:

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.