Escolas da Rede Estadual de Ensino recebem formação humanista para prevenir a violência em Pernambuco

02.05.2017 - Redação São Paulo

Escolas da Rede Estadual de Ensino recebem formação humanista para prevenir a violência em Pernambuco
(Crédito da Imagem: ​Coletivo Humanista de Pernambuco)

Metodologia humanista da não violência ativa chega em seis municípios da Região Metropolitana do Recife

Na próxima quinta-feira (04) o Coletivo Humanista de Pernambuco, em parceria com o PET Conexões de Saberes – Políticas Públicas de Ações Afirmativas para a Juventude – UFRPE, lança o Projeto Não Violência nas Escolas. A iniciativa visa a transformação humana a partir da corrente humanista universalista, tratando temas relacionados às várias formas de violência. A proposta é criar equipes de jovens estudantes, corpo docente e gestores escolares para serem multiplicadores(as) da não violência ativa, conscientes de seu papel na humanização da terra. O evento começa às 14h, no auditório da Pró-reitoria, da UFRPE, em Dois Irmãos.

O projeto prevê a participação de cerca de 16 Escolas nesta primeira fase, e 25 voluntários dispostos a executar o projeto. As ações são formações em quatro temáticas: ​superando a violência, coerência humana, convergência da diversidade e ações transformadoras, e que serão multiplicadas nas Escolas com os(as) alunos(as). Ao final das formações, as Escolas são responsáveis por realizar uma ação de intervenção, e participar do Encontro Pernambucano da Não Violência Ativa em Outubro deste ano. Participam deste primeiro momento os municípios de Itapissuma, Itamaracá, Igarassu, Abreu e Lima, Paulista e Recife. “Trataremos dos conflitos interpessoais dentro e fora do ambiente escolar, de forma transversal com todas as formas de intolerância e discriminação de gênero, raça, classe e religiosa. A escola é um lugar de coesão social e possui um potencial de transformação”, conta Vinicius Pereira, integrante do Coletivo Humanista e do PET – UFRPE. O projeto que se inicia este mês termina em dezembro deste ano.

A não violência ativa no mundo e em Pernambuco
O projeto não violência nas escolas surge no Brasil a partir da experiência realizada no Rio de Janeiro com as Escolas Estaduais de Nova Iguaçú, reproduzindo uma experiência bem sucedida da Argentina. Em Pernambuco, iniciou ações pontuais em Escolas de Igarassu, em 2015, e em Itapissuma em 2016. ​​ Hoje contamos com uma experiência exitosa no Peru, que está se tornando uma política pública nacional de educação.

De onde vem o Projeto
PET – Conexões de Saberes – Políticas Públicas/UFRPE – é um Programa de Extensão da UFRPE que promove aproximação das Comunidades Populares com a Universidade, através da defesa dos Direitos Humanos e Cidadania nas intervenções sociais, na busca pela valorização da escola pública, como espaço de universalização de direitos.

​Coletivo Humanista de Pernambuco – é um grupo do movimento humanista que atua no fortalecimento de ativistas sociais e seres humanos, a partir de uma transformação pessoal e social. Utiliza a Não Violência Ativa como metodologia de ação e prática.

Para saber mais
Emanuela Castro, jornalista e integrante do Coletivo Humanista
Tel: (81) 98186.0484

Vinicius Pereira, integrante do Coletivo Humanista e do PET-UFRPE
Tel: (81) 99135.6966

Silvana Queiroz, socióloga e integrante do coletivo humanista
Tel: (81) 99736.1183

Domênica Rodrigues, mestranda em educação rural e integrante do coletivo humanista
Tel: (81) 99407.6648

Mais informações no site: www.naoviolencianasescolas.org

Categorias: Ámérica do Sul, Direitos Humanos, Educação, Humanismo e Espiritualidade, Não discriminação, Não violência, Nota de imprensa
Tags: , , , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Apresentação de vídeo: O que é a Pressenza

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.