Direitos migrantes: nenhum a menos

16.12.2016 - São Paulo, Brasil. - Equipe de Base Warmis-Convergência das Culturas

Direitos migrantes: nenhum a menos
(Crédito da Imagem: Thâmara Malfatti)

A exposição “Direitos Migrantes: nenhum a menos”, em cartaz no Museu da Imigração desde o dia 24 de setembro de 2016, tem seu encerramento marcado para o próximo domingo, 18 de dezembro, data em que é celebrado o Dia Internacional dos e das Migrantes.

Tendo como ponto de partida o entendimento de que a migração é um direito humano, independentemente da nacionalidade da pessoa, de seu país de origem ou de destino, a exposição traz uma amostra da mobilização de migrantes por uma cidadania em movimento na cidade de São Paulo a partir de diferentes olhares.

Dois projetos de História Oral desenvolvidos pelo Museu da Imigração – “Conselheiros extraordinários imigrantes nos conselhos participativos municipais” e “Mulheres em movimento: migração e mobilização feminina no estado de São Paulo” – são o fio condutor da exposição, trazendo entrevistas com migrantes das mais diversas origens (como Alemanha, Argentina, Angola, Bolívia, Chile, China, Estados Unidos, Guiné-Bissau, Mali, Peru e Senegal) residentes em São Paulo.

29671588260_340d648360_k

A exposição conta, ainda, com fotografias de diferentes fotógrafos que acompanham e fazem parte dessa mobilização por direitos, vídeos do coletivo Visto Permanente – que, por meio da construção de um acervo de audiovisual, se propõe a contribuir com visibilidade de migrantes por meio da sua arte e cultura -, textos e poemas escritos por migrantes, assim como áudios captados em eventos protagonizados por migrantes, como o Fórum Social Mundial das Migrações.

Por meio de imagens, sons e textos foram postas em evidência diversas vozes e experiências de migrantes na cidade de São Paulo. Ainda que essas pessoas possuam trajetórias e bagagens únicas, todas trazem consigo um mesmo componente essencial: seus direitos humanos; direitos que migram junto com essas pessoas e que são inerentes a sua existência, não importando o local em que elas se encontrem. E é justamente por querer exercer esses direitos que elas se mobilizam, demandam e ocupam espaços nas cidades. A exposição traz quatro eixos principais. No primeiro são representadas as fronteiras enfrentadas por essas pessoas no Brasil – tanto em seus aspectos mais práticos e legais quanto em seu sentido simbólico, sob um contexto mundial no qual predominam as políticas restritivas e seletivas, que impedem ou dificultam o ingresso de determinadas pessoas nos países de destino, assim como recebem migrantes com crescentes atos de violência com motivações racistas e xenofóbicas.

A ideia é refletir sobre as razões que geram desconfiança e hostilidade perante uma pessoa que tem a cor de pele, a língua, a cultura, a religião ou a nacionalidade diferentes. E quando somos nós que migramos e somos os “outros”, os “estrangeiros”? Será que nossa presença em outros países é vista com medo e como ameaça?

29671577280_24d684e962_k

Os outros três eixos retratam o protagonismo de migrantes nas lutas por seus direitos e por maior espaço cultural, social e político. Aqui se destacam o direito a participação política, assim como a campanha pelo direito ao voto no Brasil; a conquista de espaços e visibilidade por parte das mulheres migrantes no movimento,cabendo mencionar a Frente de Mulheres Imigrantes e Refugiadas, representada especialmente pelas entrevistas com algumas integrantes e pela primeira faixa delas presente na exposição; e as inúmeras formas de manifestação cultural como meio de expressão.

A luta por direitos e as diversas outras formas de manifestação dessas populações, assim como o próprio processo migratório, podem ser entendidos como atos de resistência e mobilização por um mundo em que a origem de uma pessoa seja soma, não um limite. A exposição “Direitos Migrantes: nenhum a menos” tenta apresentar ao público uma amostra dessa mobilização.

Texto: Tatiana C. Waldman, pesquisadora do Museu de Imigração do Estado de São Paulo.

Exposição “Direitos migrantes: nenhum a menos”
Sala Hospedaria em Movimento
Datas: de 24 de setembro a 18 de dezembro de 2016
Horário: Terça a sábado, das 9h às 17h, e aos domingos das 10h às 17h.
Local: Rua Visconde de Parnaíba, nº 1316 – Mooca –São Paulo
Informações: (11) 2692-1866 ou www.museudaimigracao.org.br

Categorias: Ámérica do Sul, Assuntos internacionais, Diversidade, Não violência, Nota de imprensa, Política
Tags: , , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.