Colômbia: Mesmo com rejeição a acordo com FARC, ELN mantém decisão de negociar paz

04.10.2016 - Colombia - Opera Mundi

Colômbia: Mesmo com rejeição a acordo com FARC, ELN mantém decisão de negociar paz
(Crédito da Imagem: otramirada.pe)

Guerrilha afirmou já ter reunião marcada com governo nesta semana; autoridades haviam pedido que ELN libertasse sequestrados para iniciar diálogos

O ELN (Exército de Libertação Nacional), segunda maior guerrilha na Colômbia depois das FARC (Forças Armadas Revolucionárias Colombianas), comentou nesta terça-feira (04/10) o resultado do plebiscito de domingo (02/10), em que a população colombiana votou contra o acordo de paz com as FARC, e manifestou interesse em dar início aos diálogos de paz com o governo, passando para a fase pública de negociações.

“Neste difícil momento para a Colômbia, o ELN reafirma a decisão irrevocável de passar à fase pública e cumprir com a agenda estipulada em março”, publicou a guerrilha no Twitter de sua rádio oficial, Ranpal (Rádio Oficial Pátria Livre). A guerrilha afirmou que “mantém a decisão” de se comprometer com superar “qualquer dificuldade que se apresente e chama o presidente Santos com o mesmo propósito”.

“Esperamos dar boas notícias nos dias vindouros a toda a sociedade colombiana sobre os diálogos com o governo”, afirmou o grupo por meio de sua própria conta no Twitter. A guerrilha anunciou na mesma página já ter uma reunião marcada com o governo colombiano.

Pela rede social, o ELN fez uma grande convocatória, para os “setores populares e classe média da cidade e do campo; vítimas do conflito social e armado, movimentos e partidos políticos de esquerda, democráticos e de centro; revolucionários, povos indígenas, negros, mulheres e LGBTI”, entre outros, para buscar “uma solução política” e, finalmente, a paz.

“Sem o protagonismo popular e social, não é possível conseguir a paz”, afirmaram no Twitter.

No dia 30 de março, o ELN e o governo colombiano anunciaram em Caracas, capital da Venezuela, o início de uma fase pública de diálogos de paz.

Estes, porém, só seriam de fato abertos após a solução de alguns “temas humanitários”, como o fim dos sequestros. Como consequências, essa primeira fase ainda não começou, visto que o ELN ainda não libertou todos seus sequestrados.

Na semana passada, o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, já havia expressado interesse em negociar com os representantes da segunda maior guerrilha do país. “Se liberam os sequestrados, na mesma semana podemos anunciar o que começa a fase pública de negociações porque já temos com o ELN um 50% da negociação, que é a agenda de pontos”, disse Santos no último dia 28.

Na ocasião, o ELN havia declarado um cessar-fogo unilateral pelo resto da semana para permitir que a população pudesse votar no plebiscito de domingo. Sobre o acordo de paz do governo com as FARC, a guerrilha afirmou respeitá-lo, mas que não concordava com seus termos.

Plebiscito do acordo de paz entre governo e as FARC

No Twitter da Ranpal, o ELN também comentou os resultados do plebiscito de domingo, que poderia ter colocado em vigor o acordo de paz entre as FARC e governo — dando fim a um conflito de mais de meio século.

“Os adversos resultados do plebiscito deixam claros os obstáculos para o avanço da paz”, disse o grupo por meio da rede social em referência, não só àqueles que votaram contra o acordo com as FARC, mas àqueles que se abstiveram de votar.

“Mais de 62% da população apta para votar não o fez, o que dá conta da grave crise da democracia colombiana. Os resultados do plebiscito são quase um empate técnico que mostra a força que têm os inimigos da paz”, afirmou o ELN.

Categorias: Ámérica do Sul, Internacional, Opinião, Paz e Desarmamento, Política
Tags: , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.