Colômbia: Mesmo com rejeição a acordo com FARC, ELN mantém decisão de negociar paz

04.10.2016 - Colombia - Opera Mundi

Colômbia: Mesmo com rejeição a acordo com FARC, ELN mantém decisão de negociar paz
(Crédito da Imagem: otramirada.pe)

Guerrilha afirmou já ter reunião marcada com governo nesta semana; autoridades haviam pedido que ELN libertasse sequestrados para iniciar diálogos

O ELN (Exército de Libertação Nacional), segunda maior guerrilha na Colômbia depois das FARC (Forças Armadas Revolucionárias Colombianas), comentou nesta terça-feira (04/10) o resultado do plebiscito de domingo (02/10), em que a população colombiana votou contra o acordo de paz com as FARC, e manifestou interesse em dar início aos diálogos de paz com o governo, passando para a fase pública de negociações.

“Neste difícil momento para a Colômbia, o ELN reafirma a decisão irrevocável de passar à fase pública e cumprir com a agenda estipulada em março”, publicou a guerrilha no Twitter de sua rádio oficial, Ranpal (Rádio Oficial Pátria Livre). A guerrilha afirmou que “mantém a decisão” de se comprometer com superar “qualquer dificuldade que se apresente e chama o presidente Santos com o mesmo propósito”.

“Esperamos dar boas notícias nos dias vindouros a toda a sociedade colombiana sobre os diálogos com o governo”, afirmou o grupo por meio de sua própria conta no Twitter. A guerrilha anunciou na mesma página já ter uma reunião marcada com o governo colombiano.

Pela rede social, o ELN fez uma grande convocatória, para os “setores populares e classe média da cidade e do campo; vítimas do conflito social e armado, movimentos e partidos políticos de esquerda, democráticos e de centro; revolucionários, povos indígenas, negros, mulheres e LGBTI”, entre outros, para buscar “uma solução política” e, finalmente, a paz.

“Sem o protagonismo popular e social, não é possível conseguir a paz”, afirmaram no Twitter.

No dia 30 de março, o ELN e o governo colombiano anunciaram em Caracas, capital da Venezuela, o início de uma fase pública de diálogos de paz.

Estes, porém, só seriam de fato abertos após a solução de alguns “temas humanitários”, como o fim dos sequestros. Como consequências, essa primeira fase ainda não começou, visto que o ELN ainda não libertou todos seus sequestrados.

Na semana passada, o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, já havia expressado interesse em negociar com os representantes da segunda maior guerrilha do país. “Se liberam os sequestrados, na mesma semana podemos anunciar o que começa a fase pública de negociações porque já temos com o ELN um 50% da negociação, que é a agenda de pontos”, disse Santos no último dia 28.

Na ocasião, o ELN havia declarado um cessar-fogo unilateral pelo resto da semana para permitir que a população pudesse votar no plebiscito de domingo. Sobre o acordo de paz do governo com as FARC, a guerrilha afirmou respeitá-lo, mas que não concordava com seus termos.

Plebiscito do acordo de paz entre governo e as FARC

No Twitter da Ranpal, o ELN também comentou os resultados do plebiscito de domingo, que poderia ter colocado em vigor o acordo de paz entre as FARC e governo — dando fim a um conflito de mais de meio século.

“Os adversos resultados do plebiscito deixam claros os obstáculos para o avanço da paz”, disse o grupo por meio da rede social em referência, não só àqueles que votaram contra o acordo com as FARC, mas àqueles que se abstiveram de votar.

“Mais de 62% da população apta para votar não o fez, o que dá conta da grave crise da democracia colombiana. Os resultados do plebiscito são quase um empate técnico que mostra a força que têm os inimigos da paz”, afirmou o ELN.

Categorias: Ámérica do Sul, Internacional, Opinião, Paz e Desarmamento, Política
Tags: , , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.