Cristina, meu amor

25.05.2016 - USA - Ilka Oliva Corado

This post is also available in: Espanhol

Cristina, meu amor
Não sou feminista, nem vermelha, nem de esquerda, nem revolucionária. Sei muito bem qual é o meu lugar: sou uma desamparada e Cristina é meu amor. Assim como também é Mercedes Sosa, Dilma, Evita e Violetona Parra.
E, como escritora, gritar este amor para os quatro ventos me rendeu censuras. Acusaram-me em mais de uma ocasião de ser mercenária, de viver nos Estados Unidos à custa do suporte financeiro de Cristina e Dilma para que escreva a respeito delas. Valha-me! As mulheres nem sabem que eu existo, ora… E nem que eu fosse uma escritora de alcance mundial (a verdade é a verdade), com grande peso nos meios de comunicação, capaz de mobilizar massas com apenas um estalar de dedos, como ocorre com outros. Sei muito bem onde estou situada.
E digo com clareza: Cristina, meu amor. Ainda que seja também o amor de milhares, tal como sucede com Evita. Já perdi a conta de quantos meios me censuraram por escrever sobre elas, as conquistas de seus governos e acerca da violência de gênero que viveram. Chamaram-me de fanática e desvalorizaram minhas opiniões por não ter um título universitário ou a “banca” de intelectual que me respalde. Não necessito de nada disso: falo desde o coração, desde o sangue. Não preciso recorrer ao alarde de ilustrada para receber aplausos e agradar: minha expressão existe por si mesma. Como passa conosco, os “ninguém” e os desamparados.
O patriarcado não aceita que uma mulher admire outra, e muito menos que manifeste isso publica e tranquilamente. Querem nos ver divididas, odiando-nos, brigando entre nós, para que não nos desenvolvamos e nos fortaleçamos como gênero. Para que permaneçamos sempre nas sombras, atrás, a passos cansados, com o jugo de sermos invisíveis, submissas e invejosas. Sem direitos, sem equidades, sem igualdade social.
O amor não se esconde, menos ainda o agradecimento. Não sou imparcial! Não posso ser imparcial ante a injustiça e não pretendo ignorar as conquistas do governo de Cristina, e o sorriso e a alegria que deu aos descamisados de Evita quando lhes devolveu seus direitos, quando lutou por eles contra o capital internacional, quando lhes ofereceu comida, teto, educação, saúde e benefícios trabalhistas. Ferramentas para um desenvolvimento integral.
Não posso manter-me à distância e não agradecer o matrimônio igualitário. A educação pública. Não tenho os olhos fechados, ainda nos falta o direito ao aborto. Era ela, havia que ser ela a responsável, mas não foi. Dívida com as mulheres argentinas. Nem tudo é perfeito e nem tudo é como deveria ser. Ainda assim, seu governo não merece acusações, e as provas e o tempo confirmam isso.
Jamais reprimiu em seu governo manifestações de ideologias distintas. Deixou-as ser, consagrou a liberdade de expressão ainda que esta fosse utilizada para lhe insultar e infamar como mulher. Não processou nenhum meio midiático pela violência que viveu constantemente quando publicavam nas capas dos jornais e revistas fotografias suas com impropérios que aludiam à violência de gênero e ao feminicídio.
Não, não se trata de fanatismo, é amor e o amor frui, o amor se expande, floresce. Somos milhões ao redor do mundo as que amam Cristina. Sim, milhões.
Porque admiramos e aplaudimos sua capacidade, sua inteligência, sua ousadia, sua entrega. Sua coragem e seu humor. A forma com que dignificou todo um povo. Para gerações, Cristina é atemporal tal como Evita. Nem a morte poderá com elas.
Tão atemporal e tão amada que o mesmo povo que a levou à presidência foi despedir-se dela no último dia do seu mandato, e recebê-la no dia que voltou a Buenos Aires para fazer florescer os sonhos.
São tempos difíceis que afetam a Região, e Cristina segue brilhando: íntegra, capaz, insubornável, indestrutível. Por quê? Porque é mulher. E nós, mulheres, temos demonstrado através da história do que somos feitas.
Cristina inspirou milhares de mulheres ao redor do mundo, apenas com sua presença. Com sua palavra transparente, com seu sentir e com sua ação política que faz constar na história sua lealdade aos desamparados. Seu governo foi populista, claro que sim, foi populista porque foi o povo quem a elegeu e para esse povo ela governou, não para oligarquias e vende-pátrias.
Cristina nunca se foi, sempre esteve com os desamparados, e estes estão com ela.
E como desamparada que sou, testemunha dos benefícios do seu governo para com os meus, nomeio a Cristina e grito aos quatro cantos que é o meu amor. Para que não reste qualquer dúvida.
Cristina, meu amor.
Tradução: João Guilherme A. de Farias
Categorias: América do Norte, Ámérica do Sul, Assuntos indígenas, Assuntos internacionais, Diversidade, Opinião, Política
Tags:

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.