ONU condena novo bombardeio contra hospital em Iêmen

14.01.2016 - Prensa Latina

ONU condena novo bombardeio contra hospital em Iêmen

Nações Unidas, 11 jan (Prensa Latina) O secretário geral da ONU, Ban Ki-moon, condenou hoje um novo ataque contra centros hospitalares do Médicos Sem Fronteiras (MSF) no Iêmen, onde ontem quatro pessoas morreram e 10 ficaram feridas na província de Saada, ao norte.

Em um comunicado, o diplomata reiterou que os hospitais e o pessoal médico contam com proteção explícita das leis internacionais humanitárias e que qualquer ataque contra infraestrutura civil constitui uma séria violação dessas normas.

Exigiu também uma investigação e transmitiu seu pesar aos familiares das vítimas e ao povo do Iêmen, país da Península Arábica castigado por enfrentmaentos entre as tropas governamentais e os rebeldes xiitas da tribo huti, e por bombardeios de uma coalizão anti-insurgentes liderada pela Arábia Saudita.

Ban afirmou que continuam ainda não foram identificados os responsáveis pelos disparos que acertatam a instalação.

Esta é a última de uma série de ações contra centros de saúde operados pelo MSF no Iêmen, depois dos episódios de 2015 na própria Saada e na cidade de Taiz, ao sul, em ambos casos executadas pela coalizão.

A organização humanitária denunciou ontem o bombardeio, seu custo humano e material.

Segundo o MSF, o ataque causou o colapso de vários edifícios da instalação e três de seus trabalhadores sofreram feridas, duas deles de nível grave.

Na parte da manhã, uma bala impactou o hospital Shiara, que operamos desde novembro passado, mas não pudemos confirmar a origem da mesma, explicou organização em uma nota de imprensa.

No entanto, advertiu que nesse instante foram observados aviões na região e outro projétil caiu perto do centro de saúde.

A coalizão liderada pela Arabia Saudita contra os rebeldes xiitas da tribo huti domina os céus do Iêmen.

O Secretário Geral da ONU aproveitou esse incidente para enfatizar a urgência de acabar com o conflito e resolver as diferenças mediante o diálogo.

Em dezembro, representantes governamentais e dos insurgentes conversaram na Suíça sem grandes avanços, mas concordaram em manter os contatos para procurar uma saída negociada à crise, à qual se atribuem mais de oito mil vítimas, entre mortos e feridos, desde março de 2015.

A ONU pede o fim da violência como única maneira de deter as devastadoras consequências humanitárias das hostilidades no país da Península Arábica, onde 80% da população, 21 milhões de pessoas, precisa de algum tipo de ajuda.

Categorias: América do Norte, Asia, Internacional, Paz e Desarmamento
Tags: , , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.