Projetando um legado de tolerância para o futuro

13.12.2015 - Luis Filipe Guerra

Projetando um legado de tolerância para o futuro

Telemóvel 940

A Conferência Internacional sobre Migrações e Direitos Humanos, promovida pelo Observatório dos Direitos Humanos (ODH), em parceria com o Instituto Jurídico Portucalense (IJP), encerrou no final da manhã de sábado, dia 12 de Dezembro, após um dia e meio de trabalhos, na Universidade Portucalense, na cidade do Porto.

No primeiro dia de trabalhos, os conferencistas apresentaram as suas comunicações, agrupados por quatro eixos temáticos: Direito de asilo e direito de emigração; Papel da comunidade internacional e das suas organizações; Educação para os direitos humanos; e Migrações e multiculturalismo.
No segundo dia, foram trabalhadas as conclusões dos painéis temáticos, com vista à elaboração de uma declaração final da conferência, que venha a conter algumas recomendações de política legislativa.

Assim, em síntese, foi referido haver necessidade de acelerar o recenseamento dos refugiados mediante a disponibilização de meios humanos e técnicos por parte dos países que, neste caso, não constituem a primeira fronteira externa europeia, Portugal incluído, de forma a permitir a sua rápida distribuição entre os diversos Estados-membros, no quadro do mecanismo único europeu de concessão de asilo. Paralelamente, foi denunciada a ilegalidade à luz do direito internacional e europeu dos acordos da União Europeia com outros países, nomeadamente com a Turquia, que impõem restrições à liberdade de circulação dos refugiados, entendendo-se ser matéria para suscitar a apreciação do Tribunal da Justiça da União Europeia. Também foi valorada a atuação do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos no que respeita à tutela das condições de instalação e detenção de refugiados e imigrantes em Lampedusa (Acórdão Khlaifia e outros vs. Itália), como precedente para evitar tratamentos desumanos e degradantes e privações injustificadas da liberdade noutros Estados que integram o Conselho da Europa, embora se tenha questionado a capacidade imediata dos países para cumprir o padrão de proteção dos direitos humanos garantido por aquela decisão, face ao elevado número de refugiados com que têm de lidar.

Além disso, foi reconhecido que o quadro legal português no que respeita ao direito de asilo e ao direito à saúde dos refugiados é satisfatório, mas que a máquina administrativa não foi ainda testada, sendo certo que a experiência prévia com imigrantes mostra algumas limitações na prática, nomeadamente no que toca ao conhecimento da problemática específica destas populações, à informação disponibilizada a estas e à comunicação entre o pessoal clínico e os pacientes.

A propósito da imigração, foram apontadas algumas contradições na legislação que regula a entrada, permanência e expulsão de estrangeiros e denunciada a crescente suspeição que recai sobre estes e que tem vindo a desembocar na criminalização do imigrante irregular em muitos países europeus e no aligeiramento dos requisitos para a sua detenção administrativa.

Por outro lado, foi apontada a necessidade do Governo trabalhar em rede com as organizações da sociedade civil que aceitaram acolher refugiados, e estas entre si, de modo a apoiar as mesmas no cumprimento dos seus compromissos em relação à integração destes na sociedade portuguesa, nos domínios do ensino, da saúde e do trabalho, com respeito pela sua especificidade cultural. Nesta parte, achou-se importante aproveitar a experiência da emigração portuguesa para tecer laços de identificação solidária entre as comunidades locais e os refugiados, quebrando algumas resistências da parte destas. Aliás, a este propósito, foi ainda evocado o legado de tolerância do Al-Andalus ibérico como lição e ponte para o futuro europeu, lembrando que o próprio Fernando Pessoa reconhecia o caráter romano-árabe singular dos portugueses.

Finalmente, foi recordado que o acolhimento de refugiados não deve fazer perder de vista que é necessário trabalhar pela paz nos países de onde os mesmos provêm, resgatando a figura da intervenção humanitária, quando necessária, mediante a sua relegitimação democrática, no quadro de uma reforma das instituições internacionais, como o Conselho de Segurança da ONU.

Categorias: Direitos Humanos, Diversidade, Europa, Nota de imprensa
Tags: , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.

maltepe escort