São Paulo: o ato em 7 atos

21.08.2015 - Redação São Paulo

São Paulo: o ato em 7 atos

Por Gilberto Maringoni

O ato contra o ajuste fiscal e a direita e pela democracia, realizado na noite desta quinta (20), em São Paulo, superou todas as expectativas dos organizadores. Os motivos são os seguintes:

1. A própria coordenação da manifestação – que saiu do Largo da Batata, em Pinheiros, e percorreu 5 quilômetros até o MASP – esperava um público de 40 mil pessoas. Pois ainda em seu início, a Polícia Militar avaliou os número de presentes em 60 mil.

2. O tom do ato foi nitidamente crítico ao governo, pela esquerda. Como disse Guilherme Boulos, logo na abertura, “Viemos às ruas para combater a direita. Não viemos defender nenhum governo, viemos denunciar o ajuste fiscal!”.

3. A fala do líder do MTST pautou o evento. Nenhum dos oradores fez defesa aberta do governo. Representantes de entidades marcadamente próximas à administração federal – como a CUT, a Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB), ligada ao PCdoB, e o MST – decidiram centrar fogo na política econômica e defender a democracia, sem se comprometer com a conduta geral da gestão Dilma.

4. Havia uma profusão de bandeiras e símbolos do MTST, MST, CUT, Intersindical, PSOL, PCdoB e PCO, este último guindado à súbita notoriedade pelo apoio aos governos petistas. O notável é que quase não havia estandartes do PT, embora muitos militantes vestissem a camisa do partido.

5. Ao contrário do que falava uma ultraesquerda purista, o ato não foi dominado pelo governismo. Ativistas do PT e pró-governo se adaptaram a uma cena marcadamente crítica.

6. A unidade obtida em São Paulo não se replicou em outros estados. No Rio, por exemplo, aconteceram duas manifestações, uma de oposição, pela manhã, e outra governista à tarde. Nenhuma parece ter obtido grande expressão.

7. A junção de parceiros tão díspares é um tento importante nesses tempos de desalento. O feito pede agora um fio de continuidade. Ele pode se dar através da constituição de uma frente orgânica de todos os setores presentes no ato. Juntar setores dispersos para a luta contra o giro ultraliberal do governo Dilma, o ajuste fiscal e a Agenda Brasil, entre outros temas é tarefa que está caindo de madura.

Como dizia Antônio Maria, “A noite é grande e cabe todos nós”.

Fonte: Diario do Centro do Mundo

Categorias: Ámérica do Sul, Economia, Política, Região
Tags: , , , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.