Cidades Não Violentas: um curso on-line que chega a nove países

13.01.2015 - Redação São Paulo

This post is also available in: Espanhol

Cidades Não Violentas: um curso on-line que chega a nove países

Realizou-se entre o 4 e o 18 de novembro o Curso online: “Cidades não violentas: uma transformação cultural profunda, individual, institucional e social, por meio da não-violência ativa”. Este curso, intensivo e gratuito, se desenvolveu por meio de uma plataforma virtual desde a que se capacitaram participantes de 9 países: 2 de Europa (Itália e Espanha) e 7 de América Latina (Argentina, Equador, Colômbia, R. Dominicana, Bolívia, Chile e Brasil). Na Argentina participaram da proposta desde 6 províncias: Buenos Aires, Chaco, Entre Rios, Santa Fe, La Rioja y Tierra Del Fuego.

Entrevistamos o Licenciado Juan Jose Pescio*, um dos integrantes da rede de construtores de Cidades Não Violentas, para que nos comente quais foram os passos para chegar a esses resultados e em que consiste a rede de construtores dos diversos nós.

 

Pressenza: Poderias nos comentar em que se baseia a proposta?

Esta proposta parte de reconhecer o grande poder que o sistema violento em que vivemos tem sobre a mente de cada indivíduo. O sistema tem um poder hipnótico capaz de afastar ao ser humano da espiritualidade latente em seu interior e do contacto com suas aspirações profundas de um mundo solidário e não violento. E exerce esse poder em forma permanente por múltiplas vias: os meios de comunicação, as instituições, o sistema econômico, etc. Por isso nós entendemos que essa influencia que afasta do único importante, é a ação mais destrutiva que realiza o Antihumanismo.

Então o curso, como parte desta proposta, se centra fundamentalmente na urgência de converter (inverter) a “direção possessiva” que está orientado a vida das pessoas numa direção destrutiva na civilização atual. Uma civilização impulsionada por um individualismo acumulativo e competitivo acelerado.

É evidente que esta direção de vida errônea já está instalada também como “normal desde faz muito nas instituições e nas estruturas sociais. Por isso, pela dimensão que tem esta direção de vida, a Proposta de Mudança Tripla intenta contribuir de alguma maneira para a conversão da direção individualista que leva est cultura globalizada e que seja substituída por uma nova cultura Solidária e Não Violenta. Estas ações em marcha tratam de abrir caminhos para a expressão da nova espiritualidade que está nascendo.

Entendemos que esta mudança da direção errônea da cultura global requeira de uma escala significativa de pessoas que o intentem. É por isso que esta proposta que se iniciou faz quase 13 anos a partir de algumas escolas hoje está se desenvolvendo em quase 30 cidades de 10 países. Foi evoluindo desde então e se foca desde faz alguns anos na Construção de Cidades Não Violentas e na formação de uma Rede de Construtores de Cidades Não Violentas. Em síntese, esta proposta baseia-se no Humanismo Universalista de Silo.

 

Pressenza: De onde parte esta iniciativa e onde se enquadra?

Surge desde um Frente de Ação de “A Comunidade para o Desenvolvimento Humano”, Organismo cultural e Social do Movimento Humanista.
Este frente se denomina: “Conselhos Permanentes pela Não Violência Ativa e Redes” (CPNVA) e hoje trabalha com a proposta de construir “Cidades Nõ Violentas com o Método Triplo de Mudança”.

 

Pressenza: Poderia nos dizer qual é o objetivo do curso e o seu conteúdo?

Este curso está destinado à formação de Construtores de Cidades Não Violentas e se compõe de dois Unidades Didáticas:

1) “Por que é necessário construir Cidades Não Violentas”?
2) “Como construir Cidades “Não Violentas”?

 

Pressenza: Que avanços experimentaram os participantes a partir do curso?

Em geral eles têm destacado que:

– Tiveram uma forte confirmação em seu projeto de vida com sentido solidário. Valoraram muito a existência de uma Rede que se está construindo com esse sentido.

– Lograram ampliar a escala na que estavam tratando de mudar seu meio, chegando a se propor a construção de “cidades” e incluso em alguns casos, de “países não violentos”.

– Reconheceram a importância de contar com uma metodologia preventiva para as diversas formas de violência, baseada na construção de novos espaços não violentos permanentes e se propuseram começar a aplicá-la (Ao menos em 8 cidades de diferentes países se constituíram equipes de trabalho durante o curso, com a intenção de aplicá-lo no seu meio).

Pressenza: em forma sintética, qual seria o procedimento par superar as causas profundas da violência em cada um dos três planos?…

a) Nas instituições, democratizando-las, isto é, fazendo com que num mediano prazo, seus integrantes participem nas decisões. Ademais, que incorporem o enfoque triplo para superar as “causas” da violência.
b) No mundo interno dos indivíduos, tratando que superem os seus ressentimentos, temores e desorientação, focando o processo de mudança interna na conversão gradual do projeto de vida individualista por um projeto solidário baseado em ações válidas.
c) No Plano Comunitário – Social, a ação se orienta a superar a desigualdade de oportunidades. Para isso se constroem Redes de Instituições Solidárias e Não Violentas (Atualmente se trabalha com Escolas, Famílias, Colégios profissionais, Municípios, Hospitais, etc.).

O trabalho em cada um dos três planos é inseparável e simultâneo com o que se faz nos outros dois, potenciando os efeitos nesta interação.

 

Pressenza: Quais são os pilares no que se apóia a construção de uma Cidade Não Violenta?

Os pilares são 3 a Nível Local:

a) “Equipes Motores”: formados por voluntários capacitados em cada cidade, dispostos a formar a outros e estender a proposta.
b) “Centros de Formação Permanente de Construtores de Cidades Não violentas com o Enfoque Triplo”: São lugares físicos significativos onde se capacita a novos construtores. (Desde faz vários anos existem estes Centros em Universidades, Municípios, Colégios Profissionais, Escolas, Ministérios, etc.).
c) “Autoridades” e “meios de comunicação”: São fatores que aceleram a transformação de conjuntos sociais significativos quando se conta com os pilares anteriores.

E também são importantes estes 3 pilares da Rede: a) A Formação Virtual a Distancia, que facilita a apertura e instalação da proposta em novos países e cidades (por exemplo, com este curso). b) A existência da Rede de Construtores de Cidades Não Violentas, que facilita o intercambio de experiências e reforça a confiança em que “a mudança é possível”. c) O “Encontro anual Internacional de Construtores de Cidades Não Violentas”, que em grande medida potencia a confiança na mudança ao vincular-se cara a cara com outros construtores de lugares distantes. (Realiza-se anualmente em Buenos Aires na Aula Magna da Universidade Tecnológica Nacional desde 2011).

 

Pressenza: O Curso vai ser novamente dado, e nesse caso, como podem se informar os interessados?

Este curso gratuito voltará a ser ditado durante o presente ano em varias oportunidades. Informes: cpnva2006@yahoo.com.ar Atividades da Rede: Facebook: Consejos Permanentes por la No Violência Activa.

 

Pressenza: Qual é a referencia bibliográfica do curso?

Este Curso é uma versão abreviada do manual teórico-prático “Em direção a uma cultura solidária e não violenta” de Juan José Pescio e Patrícia Nagy. A versão completa pode se baixar livremente de: www.consejosnoviolencia.org Outros textos utilizados no curso são:
Autoliberação, de Luis Ammann e Experiências Guiadas, de Silo. A apresentação do curso abreviado está disponível em: http://www.imwonline.org/curso/ciudades-violentas-una-transformacion-cultural-profunda-individual-institucional-y-social-por-medio-de-la-no-violencia-activa/

 

* Co-autor do Manual “Hacia una cultura solidaria y no violenta”, utilizado nas capacitações.

Categorias: Ámérica do Sul, Educação, Entrevista, Europa, Humanismo e Espiritualidade, Não violência
Tags: , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.