Com a lentidão que marca a justiça brasileira, os Guarani Kayowá conseguiram um acordo para permanecer em suas próprias terras no Mato Grosso do Sul. Passaram dois anos desde que chegaram a ameaçar suicídio coletivo se fossem expulsos. Além de terem que ocupar a sede administrativa da fazenda em suas terras. A justiça brasileira só não é lenta quando se trata de defender poderes econômicos ou midiáticos.

Ainda falta a demarcação da Funai (que consegue ser mais lenta que o Judiciário, seja num governo do PSDB ou do PT). Vale lembrar que somente a demarcação com a assinatura do ministro da Justiça garante a propriedade definitiva.

O que nos faz lembrar da campanha Assina logo, Zé! (não é literal) dos também Guarani mas de São Paulo, que chegaram a dar uma caneta (!) de presente ao Ministro.

Mas esta pequena nota é para comemorar um passo muito importante. Continuaremos apoiando e acompanhando os avanços desses valentes índios. O sangue deles, que também corre em nossas brasileiras veias, é motivo de muito orgulho.

Leia mais nesta matéria da RBA