Fundos abutre na Argentina podem trazer de volta crise da dívida

25.07.2014 - Redação São Paulo

Fundos abutre na Argentina podem trazer de volta crise da dívida

A ser aplicado, o veredito da justiça dos EUA pode fazer ressurgir a crise da dívida, com todas as suas implicações para a economia e sociedade argentinas.

Por Alejandro Nadal publicado no Portal Carta Maior

 

Quando um investidor corre riscos fora do comum com a sua carteira de investimentos procura ser compensado com maiores rendimentos. Em caso de bancarrota dos seus devedores, esse investidor terá de aceitar algumas perdas e os altos rendimentos servirão como contrapeso do risco enfrentado. Essa é a rotina nos mercados financeiros desde tempos imemoriais. Mas num acórdão recente, o Supremo Tribunal de Justiça dos Estados Unidos tomou uma decisão contrária a essa prática, colocando em dificuldades o governo da Argentina.

A crise da dívida externa que sofreu a Argentina entre 2000 e 2002 conduziu o país à pior quebra da sua história. Em 2001, era praticamente impossível manter o serviço da dívida (superior a 166 por cento do PIB). Os credores receberam durante alguns anos rendimentos superiores à média dos mercados como compensação face ao risco de uma moratória. Ainda num momento de rendimentos mais deprimidos, a margem face aos títulos do Tesouro norte americanos era de três pontos percentuais.

Em 2005, o governo argentino ofereceu aos seus credores uma reestruturação. Nesse ano, os títulos argentinos eram transacionados no mercado secundário muito abaixo do seu valor nominal e a grande maioria dos credores aceitou as condições oferecidas pelo governo de Kirchner, acedendo a reduções até 75 por cento do montante principal (na realidade, as perdas para os credores foram menores porque no cálculo do montante principal incorporaram-se os juros não pagos). Ao todo, entre 2005 e 2010, os portadores de 93 por cento dos títulos argentinos aceitaram a reestruturação da dívida. Desde então, a Argentina cumpriu fielmente o calendário de pagamentos e reduziu a sua dívida a 40 por cento do PIB.

Mas uma pequena minoria de credores recusou o acordo. Os seus títulos foram adquiridos por fundos de investimento especializados em comprar títulos com problemas para depois procurarem recuperar o total do valor nominal: esses fundos pretendem converter em 100 o que compraram a 25. Não é por acaso que são conhecidos como fundos abutres. Entre aqueles que, no caso argentino, participaram nesta manobra encontram-se o Aurelius Capital Management e o Elliott Capital Management, fundos que usam práticas predadoras para recuperar os seus investimentos de alto risco.

O argumento do Supremo Tribunal norte americano baseia-se na cláusula de pari passu (simultaneidade), que figura em todos os contratos de dívida externa e concursos mercantis de falências. Essa cláusula reconhece aos credores igualdade de direitos em relação a dívidas similares do mesmo emissor. Isso implica que se a Argentina pagar a um credor que aceitou reestruturar a sua dívida, então deverá fazer o mesmo com os credores que recusaram esse acordo. E como estes não aceitaram cortes no montante principal, então a Argentina deverá pagar-lhes a totalidade da dívida. O veredito do Supremo tribunal dá direito aos credores de apoderarem-se de ativos dos devedores como forma de cobrança.

Tudo isto levanta um enredo legal de graves implicações macroeconómicas para o governo argentino. O veredito norte americano implica que se Argentina pagar aos credores que aceitaram a reestruturação, pela cláusula pari passu deve também pagar aos que não a aceitaram. Mas nesse caso, segundo o tribunal norte americano, esses credores têm direito a cobrar o total da dívida. Só que os títulos que foram reestruturados contêm uma cláusula que estipula que se Argentina concede no futuro a um credor melhores condições sobre a troca de dívida, essas condições deverão aplicar-se aos detentores de títulos reestruturados. Esta cláusula de devedor mais favorecido significa que os donos dos títulos reestruturados também teriam direito a reclamar a totalidade da dívida e o processo de reestruturação ficaria anulado. Ressurgiria a crise da dívida, com todas as suas implicações para a economia e sociedade argentinas. É possível que os ministros do Supremo Tribunal norte americano, tão acostumados a pensar na aplicação extraterritorial da legislação norte americana, não estejam conscientes dos envolvimentos do seu veredito.

Sem dúvida, a Argentina precisa de ajuda, mas no que respeita aos fundos abutre, a ajuda dos BRICS prima pela sua ausência. Ainda que Buenos Aires e Beijing tenham assinado um acordo de câmbio entre moedas que permite à Argentina pagar as importações da China em yuan, o que dá uma verdadeira margem ao país sul americano em matéria de reservas, no fundo, só se trata de um crédito para poder financiar vendas chinesas. Desde há três anos, a economia argentina tem vindo a perder dinamismo, em boa medida pela contração dos seus mercados de produtos básicos. Todos os créditos outorgados por Xi Jinping durante a sua visita a Buenos Aires são empréstimos com contrapartidas que favorecem companhias chinesas de telecomunicações, energia nuclear e construção de barragens hidroelétricas. Esta não é a ajuda que poderia afugentar os fundos abutre.

Categorias: Ámérica do Sul, Economia, Internacional
Tags: , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.