O Dia da Mudança Política: Passado contra Futuro

20.06.2014 - David Andersson

This post is also available in: Espanhol

O Dia da Mudança Política: Passado contra Futuro

Algo de muito interessante e profundo está acontecendo na Colômbia. Um país uma vez conhecido pela violência, assassinatos e tráfico de drogas, hoje segue outro caminho. Há apenas 20 anos, uma pessoa era assassinada a cada oito minutos, e milhões migravam para os E.U.A. e a Europa. O slogan era generalizado: “não há o que se fazer na Colômbia”. Artistas se foram para Flórida ou Espanha; os últimos três presidentes, terminando suas gestões, viajavam para trabalhar no exterior.

Passamos por uma mudança no fim de 2009, durante a Marcha Mundia pela Paz e Não-Violência, de que a inclusão de pessoas assim como o trabalho em grande escala que se fez para o evento não teve paralelo. O evento foi coberto diariamente por mídias de imprensa, celebridades aderiram e muitas organizações locais organizaram desfiles, marchas e festivais. Foi como se o país estivesse começando a se levantar contra a violência.

Em 2010, Juan Manual Santos foi eleito Presidente, com a promessa de trabalhar com as FARC e outros grupos guerrilheiros para um processo de pacificação. Santos anunciou em 27 de agosto de 2012 que o governo colombiano havia iniciado “conversações exploratórias” com as FARC para buscar um fim para o conflito. Hoje, Santos foi re-eleito como Presidente da Colômbia. Fundamentalmente, foi tratado de um referendo sobre uma forma de por fim aos 50 anos de conflito armado na Colômbia, o conflito de maior duração da América Latina, e sem dúvidas um dos mais antigos no mundo. Milhões de pessoas têm a oportunidade de continuar um trabalho iniciado em direção a uma paz duradoura. Tendo o apoio de organizações, personalidades e partidos políticos que transcendem as antiquadas fronteiras de esquerda e direita, foi dado o nascimento a um novo paradigma político.

Essa re-eleição poderia se converter em uma virada na política como a conhecemos, afastando-se do conceito de esquerda e direita tão confuso hoje em dia, e se aproximando de uma visão moderna baseada no olhar para o futuro.

A política do PASSADO é normalmente conservadora e pragmática; necessita de resultados imediatos, usa a guerra como solução para responder aos conflitos, aprova leis contra imigrantes e imigração, e põe limite ao direito de voto.

A política do FUTURO se refere a trabalhar em uma direção, começando processos, usando a não-violência como meio de resolução de conflitos, aceitando a imigração,  redistribuindo a riqueza econômica, protegendo o meio ambiente e ampliando a democracia.

Evidente que é difícil para qualquer um ver a própria direção de vida, assim como ver o processo que define essa direção. Qual é o ponto de vista? Como respondo às situações? Tenho mais tendência ao PASSADO ou ao FUTURO?

No caso da Colômbia, é claro que o povo sofre menos do que sofria a 15 anos atrás. O processo de imigração aos E.U.A. reduziu drasticamente. As novas gerações não estão esperando para se irem embora, querem ficar para trabalhar e desenvolver seu país o quanto possível, essa é a dinâmica que dá impulso ao novo paradigma político.

Tradução: Kinho Schiavo

Categorias: Ámérica do Sul, Internacional, Opinião, Paz e Desarmamento, Política
Tags: , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.