Militares no poder

18.06.2014 - Gilberto Rodrigues

Militares no poder
(Crédito da Imagem: http://bit.ly/1l3HXEO)

A incrível Primavera Árabe, que teve no Cairo seu epicentro, a Praça Tahir, ocupada por meses, um frenesi de liberdade, de voracidade democrática, deu voltas e piruetas e acabou com a eleição de um militar golpista como presidente do Egito. Será uma peculiaridade do caso egípcio?

Na Tailândia, um governo conturbado, acusado de corrupção, é afastado pelos militares, que tomam o poder, com ânimo provisório, isso é o que eles dizem. Nesse país, havia uma democracia em funcionamento. Será uma peculiaridade do caso tailandês?

Os dois casos podem ser insuficientes para sustentar uma análise ampla, mas chamam a atenção para um fato preocupante: a presença dos militares na política. Por que preocupante? Por que a democracia é, por definição, um regime civil. Se os militares exercem poder, pela via eleitoral (amparado na democracia), algo não vai bem; se exercem o poder se impondo pela força, sob o pretexto de manter ou restabelecer a ordem (uma anomalia), algo vai muito mal.

Houve casos de líderes políticos em países democráticos, como foi o General De Gaulle, na França. Mas nesse caso, tratava-se de herói de guerra, oriundo da resistência contra o Nazismo. Terá sido uma peculiaridade francesa, com seu histórico napoleônico?

Na América Latina, as ditaduras militares que perduraram até o final dos anos 1980 se mantiveram em pé na lógica da Guerra Fria e, décadas depois de seu fim, suas sequelas ainda hoje se fazem sentir na população. A submissão dos militares ao poder civil, a proibição de fazer política partidária, são princípios constitucionais de todos os regimes democráticos do continente, uma conquista a ser defendida com todas as forças…

O apelo à eleição de militares para o governo se ampara muitas vezes em que eles tem credibilidade na população, que não estariam sujeitos à corrupção, e cultivam valores morais e patrióticos, que fazem bem à nação. Seriam eles, então, uma reserva política de poder “virtuoso”? Há um evidente perigo em dar crédito a essa ideia. Em que pese o contexto egípcio, o retorno de seus militares ao poder é um indicador de que eles estão mais preocupados em manter seus privilégios e seus benefícios, à custa da democracia e da liberdade. E essa postura não parece ser uma peculiaridade egípcia.

Categorias: Africa, Asia, Internacional, Opinião, Política
Tags: , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Dia da Não Violência

Dia da Não Violência

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.