Militares no poder

18.06.2014 - Gilberto Rodrigues

Militares no poder
(Crédito da Imagem: http://bit.ly/1l3HXEO)

A incrível Primavera Árabe, que teve no Cairo seu epicentro, a Praça Tahir, ocupada por meses, um frenesi de liberdade, de voracidade democrática, deu voltas e piruetas e acabou com a eleição de um militar golpista como presidente do Egito. Será uma peculiaridade do caso egípcio?

Na Tailândia, um governo conturbado, acusado de corrupção, é afastado pelos militares, que tomam o poder, com ânimo provisório, isso é o que eles dizem. Nesse país, havia uma democracia em funcionamento. Será uma peculiaridade do caso tailandês?

Os dois casos podem ser insuficientes para sustentar uma análise ampla, mas chamam a atenção para um fato preocupante: a presença dos militares na política. Por que preocupante? Por que a democracia é, por definição, um regime civil. Se os militares exercem poder, pela via eleitoral (amparado na democracia), algo não vai bem; se exercem o poder se impondo pela força, sob o pretexto de manter ou restabelecer a ordem (uma anomalia), algo vai muito mal.

Houve casos de líderes políticos em países democráticos, como foi o General De Gaulle, na França. Mas nesse caso, tratava-se de herói de guerra, oriundo da resistência contra o Nazismo. Terá sido uma peculiaridade francesa, com seu histórico napoleônico?

Na América Latina, as ditaduras militares que perduraram até o final dos anos 1980 se mantiveram em pé na lógica da Guerra Fria e, décadas depois de seu fim, suas sequelas ainda hoje se fazem sentir na população. A submissão dos militares ao poder civil, a proibição de fazer política partidária, são princípios constitucionais de todos os regimes democráticos do continente, uma conquista a ser defendida com todas as forças…

O apelo à eleição de militares para o governo se ampara muitas vezes em que eles tem credibilidade na população, que não estariam sujeitos à corrupção, e cultivam valores morais e patrióticos, que fazem bem à nação. Seriam eles, então, uma reserva política de poder “virtuoso”? Há um evidente perigo em dar crédito a essa ideia. Em que pese o contexto egípcio, o retorno de seus militares ao poder é um indicador de que eles estão mais preocupados em manter seus privilégios e seus benefícios, à custa da democracia e da liberdade. E essa postura não parece ser uma peculiaridade egípcia.

Categorias: Africa, Asia, Internacional, Opinião, Política
Tags: , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

 

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.