Última instância?

14.11.2013 - Gilberto Rodrigues

Última instância?
(Crédito da Imagem: )

Após uma guerra campal, com batalhas renhidas, entre o governo argentino e o jornal O Clarin, a nova lei dos meios de comunicação foi ratificada pela Suprema Corte de Justiça do país, sacramentando a vitória da presidente Cristina Kirchner na disputa. A lei regula, controla e impõe limites às atividades empresariais nos meios de comunicação, exigindo que a alta concentração de propriedade nos vários meios (jornal impresso, internet, TV aberta, TC a cabo etc.) deve ser proibida.

Principal grupo atingido pela lei, O Clarin já começou a vender parte de suas participações para cumprir os novos comandos legais. Entretanto, sua reação à derrota na última instância do Judiciário foi, ao mesmo tempo, de respeito à decisão da Suprema Corte e de desafio à sua palavra final. Disseram os representantes do Clarin que irão recorrer a tribunais internacionais.

Apelar aos foros internacionais tem sido uma atitude comum nos casos que envolvem direitos humanos e, de fato, existem instâncias internacionais que avaliam e recomendam, e mesmo tribunais internacionais que julgam, uma série de assuntos que já foram objeto de sentenças judiciais no âmbito nacional. Se os países democráticos se filiam a esses foros e aceitam rever suas políticas públicas por eles, então a última instância não é mais a Suprema Corte ou o Congresso do país, e sim os órgãos internacionais criados para realizar um controle externo, acima das soberanias.

Mas não é com tranquilidade que a maioria dos governos reage aos apelos às instâncias internacionais. Por um lado, invocam o princípio da não intervenção para fazer valer sua posição; por outro lado, criticam o caráter ideológico e contaminado por interesses escusos a que os órgãos internacionais de direitos humanos estariam sujeitos. A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) e a Corte Interamericana de Direitos Humanos (Corte IDH) tem prestado serviços inestimáveis aos direitos humanos na América Latina, tanto contra regimes autoritários como diante de governos democráticos. Apesar de a Venezuela ter abandonado o Sistema Interamericano de Direitos Humanos e outros países ameaçarem fazer o mesmo, a maioria dos países entende que vale a pena reformar as instâncias internacionais de direitos humanos para corrigir eventuais problemas. Negar essa última instância aos que se sintam injustiçados seria um grave retrocesso no caminho democrático trilhado, a duras penas, na região.

Categorias: Ámérica do Sul, Cultura e Mídia, Opinião
Tags: , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.