Protesto pela memória de mortos e desaparecidos políticos é reprimido no Chile

09.09.2013 - Agencia Brasil

Protesto pela memória de mortos e desaparecidos políticos é reprimido no Chile
(Crédito da Imagem: Foto de: Pilar López (zarza))

Brasília – Manifestantes no Chile foram reprimidos hoje (8) com gás lacrimogêneo por forças policiais, nas ruas de Santiago, a capital do país. Os participantes da marcha protestavam em homenagem às vítimas da ditadura militar chilena (1973-1990). A estimativa é que mais de 3 mil pessoas tenham morrido ou desaparecido durante o período.

No dia 5, policiais chilenos reprimiram uma manifestação estudantil destinada a cobrar mudanças no sistema educacional do país. Os protestos no Chile, principalmente relativos às cobranças por melhorias na área de ensino, têm sido frequentes.

Na semana passada, a Associação Nacional dos Magistrados do Poder Judiciário do Chile pediu perdão pela “omissão” durante a ditadura, comandada por Augusto Pinochet. Foi a primeira vez que ministros, desembargadores e juízes reconheceram suas falhas. Durante o regime militar houve cerca de 5 mil pedidos de proteção para desaparecidos ou pessoas detidas ilegalmente que foram rejeitados pelos tribunais chilenos.

Em comunicado, a associação lamenta a demora em reconhecer a omissão. “Chegou a hora de pedir perdão às vítimas, aos seus parentes e à sociedade chilena”, diz o texto, acrescentando que não é possível fugir às responsabilidades dos tribunais durante a ditadura, que “desconsideraram” alguns dos direitos humanos básicos.

Por Renata Giraldi, repórter da Agência Brasil

Categorias: Ámérica do Sul, Direitos Humanos
Tags: ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.