Contraofensiva diplomática russo-síria pelo desarmamento químico

25.09.2013 - Télam - Agencia Nacional de Noticias de la República Argentina

This post is also available in: Espanhol

Contraofensiva diplomática russo-síria pelo desarmamento químico

Rússia apresentará provas de que os rebeldes sírios usaram armas químicas, numa tentativa em conjunto com a Síria para frustrar uma resolução da ONU, impulsionada por potências ocidentais, que habilitaria atacar o país árabe se não cumpre o recente acordo sobre seu arsenal químico.

“Temos suficientes provas de que os informes sobre armas químicas refletem o fato de que os rebeldes armados recorrem com frequência a essas provocações para causar uma intervenção estrangeira”, explicou o chanceler russo Sergei Lavrov, numa roda de prensa em Moscou.

As palavras do chefe da diplomacia russa chegaram pouco depois que Moscou criticasse em duros términos o trabalho dos inspetores de armas químicas na Síria, ao que qualificou como “politizado, parcial e unilateral”.

“Escreveram um informe seletivo e incompleto”, assegurou o chanceler russo Sergei Riabkov, durante uma visita a Damasco, segundo reportou a agência estatal russa de notícias RIA Novosti.

O organismo internacional deu a conhecer [dia 17.9.] um informe no qual credita o uso de gás sarin o passado 21 de agosto na periferia de Damasco, mas não determina quem foi o autor do ataque.

Reino Unido, França e Estados Unidos atribuem o uso de armas químicas ao governo do presidente sírio Bashar Al Assad.

A contraofensiva diplomática russo-síria se produz também enquanto o Conselho de Segurança da ONU tenta traduzir em uma resolução o acordo alcançado em Genebra sábado passado entre Estados Unidos e Rússia, que estabelece um cronograma para que Damasco destrua todo seu arsenal químico.

O ponto mais ríspido , inclusive depois de haver chegado a um acordo base na cidade suíça, é a inclusão ou não de possíveis sanções militares que seriam executadas se o governo sírio não cumprir com os prazos e os objetivos do desarme.

Neste marco, Estados Unidos, Reino Unido e França buscam que a resolução invoque o Capítulo VII da Carta das Nações Unidas que habilita “o uso da força armada” […] “para fazer efetivas suas decisões” em caso de ameaça à paz.

Riabcov condenou as tentativas dos países ocidentais de adotar uma resolução baseada no capítulo VII e lembrou que isso só pode acontecer “se o Conselho de Segurança constata casos, ou algum caso, de não cumprimento das obrigações assumidas no regime da Convenção sobre Armas Químicas”.

No meio da oleada de declarações que apontam antecipadamente a responsabilidade do governo sírio no ataque que deixou 1400 mortos, o presidente dos Estados Unidos Barack Obama, aumentou a aposta e sinalizou que era “inconcebível” que mais ninguém que o governo o teria levado a cabo.

Rússia rejeita a dura resposta contra Síria colocada por estas potências ocidentais e o porta voz da Chancelaria russa, Alexander Lukashevich, qualificou como “simples demais e infundado acusar a dirigência síria de tudo”.

“Em nossa opinião é inadequado e muiti precoce retirar a responsabilidade da oposição”, agregou Lukashevich, citado pela agência de notícias DPA.

Ademais, a Chancelaria russa lembrou a través de um comunicado que a Casa Branca apoia com armas, dinheiro e treinadores às milícias opositoras que combatem na Síria, entre as quais se destaca o Frente Al Nusra, uma organização islamista vinculada à Al Qaeda.

Tudo isto enquanto o presidente francês Francois Hollande anunciou em Paris um maior apoio financeiro e humanitário à Coalizão Síria, o principal grupo opositor no exílio, durante um encontro com o ministro de Exteriores de Qatar Jaled al Attiyah, outro férreo aliado dos insurgentes.

O acordo entre Washington e Moscou, em virtude do qual Damasco deve entregar suas armas químicas para controle internacional e posterior destruição, produziu-se depois de que estados Unidos ameaçou com empreender ações militares contra Damasco em resposta ao último ataque químico.

Por enquanto, o pacto permitiu deter a anunciada ação militar, mas Estados Unidos deixou claro que não é uma opção descartada, enquanto o Secretário Geral da OTAN Anders Fogh Rasmussen, defendeu a necessidade de mantê-la ativa para garantir que Síria mantém sua promessa de renunciar às armas químicas.

Tradução: Ernesto Kramer

Categorias: Assuntos internacionais, Europa, Internacional, Oriente Médio, Paz e Desarmamento
Tags: ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.