União Europeia culpa governo do Egito por violência e estuda retaliação

18.08.2013 - Redação São Paulo

egito

Ashton: “A responsabilidade desta tragédia recai com força no governo interino”

Bruxelas –A chefe da diplomacia europeia, Catherine Ashton, garantiu hoje (16) que a responsabilidade da “tragédia” no Egito recai principalmente no governo interino e anunciou que a União Europeia (UE) discutirá possíveis medidas de retaliação à violência vivida no país africano.

Ashton considerou “aterrorizante” o saldo de mortos (mais de 500) e feridos, explicou em comunicado que esteve em contato com os ministros europeus das Relações Exteriores e pediu aos países que estudem “medidas apropriadas” para responder a essa violência.

“A responsabilidade desta tragédia recai com força no governo interino, assim como na classe política do país no sentido mais amplo”, segundo a crítica mais direta da diplomata até agora às autoridades egípcias.

Ashton chamou mais uma vez todos a acabar com a violência, pediu “contenção” às forças de segurança e cobrou das forças políticas “que expressem suas opiniões pacificamente e mantenham aberta a possibilidade de um processo político que deveria levar o Egito outra vez ao caminho da democracia e curar as feridas na sociedade egípcia”.

Ashton convocou uma reunião de embaixadores para segunda-feira, com a intenção de analisar a crise e estudar a possibilidade de convocar um encontro extraordinário dos ministros das Relações Exteriores dos 28 países-membros.

Nessa linha, o presidente da França, François Hollande, e a chanceler alemã, Angela Merkel, expressaram o desejo de que haja uma reunião “urgente” dos ministros para estabelecer uma postura comum perante a crise.

Hollande e Merkel defenderam a realização desse encontro na semana que vem para abordar a cooperação entre UE e Egito e elaborar respostas comuns. O bloco tem dado grande apoio econômico ao Egito desde a revolta que derrubou o presidente Hosni Mubarak em fevereiro de 2011.

Desde a queda do presidente Mohamed Mursi em 3 de julho, que a UE não definiu como um golpe de estado, Bruxelas tratou de mediar entre os diferentes grupos políticos na tentativa de evitar o confronto.

Os esforços incluíram várias viagens de Ashton ao Egito e a presença no país do representante especial da UE para o Mediterrâneo Sul, Bernardino León.

Categorias: Africa, Assuntos internacionais
Tags: , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Dia da Não Violência

Dia da Não Violência

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.