Martin, Obama

14.08.2013 - Gilberto Rodrigues

Martin, Obama
(Crédito da Imagem: Foto: Trayvon Martin | Wikimedia Commons Public Photos)

Trayvon Martin, um adolescente negro, foi morto por um vigia particular, quando voltava para a sua casa, numa noite de 2012, na Florida. Mais de um ano depois, o vigia foi absolvido pela Justiça do estado. O júri acolheu a tese da legitima defesa do vigia. Longe de ser mais um caso de violência urbana, o caso Martin galvanizou a opinião pública para um problema que persiste, resiliente, na cultura americana: o racismo.

Sem falar sobre o tema desde sua primeira campanha, em 2008, o Presidente Obama discursou sobre o evento trágico, dizendo: “Eu poderia ter sido Martin, há 35 anos”. Contundente, a fala de Obama, ainda acrescentou que é humilhante ser um suspeito dentro de uma loja apenas pela cor da pele – ele próprio fora vítima dessa suspeição.

No dia em que George Zimmerman, o vigia que matou Martin, foi inocentado, a mega star Beyoncé pediu um minuto de silencio à memória de Martin, antes de começar seu show. Protestos se multiplicam e se intensificam no país, contestando a impunidade do vigia. A comunidade negra teme, com razão, que a tese da legitima defesa, manipulada no julgamento de Martin, possa fomentar execuções sumárias de negros pelo país.

Embora o federalismo americano garanta o veredito da Florida, o governo federal, por meio do FBI – a polícia federal dos EUA – pode investigar também, invocando o já conhecido cabo de força retratado nos filmes, entre autoridades locais e federais. Quando os estados diminuem o patamar de garantias aos direitos humanos (o que, na linguagem técnica se chama ofensa ao princípio da não-regressividade dos direitos humanos), o estado federal não apenas pode como deve intervir para impedir que os direitos constitucionais sejam sacrificados em nome de uma interpretação local.

A fala do Presidente, sobre um assunto ao máximo evitado, mostra que o cotidiano violento das grandes cidades, onde negros e imigrantes são hostilizados indiscriminadamente, tanto pela polícia quanto por particulares, dificulta o seu enfrentamento apenas pela via do diálogo inter-racial. Martin poderia ter sido Obama há três décadas. O racismo faz a vida ser mais efêmera do que ela é.

Categorias: América do Norte, Direitos Humanos, Internacional, Opinião
Tags: ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

 

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.